I Co 6, 9-11


Vocês não sabem que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não se iludam! Nem os imorais, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os depravados,nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões,nem os avarentos, nem os bêbados, nem os caluniadores irão herdar o reino de Deus. Alguns de vocês eram assim. Mas vocês se lavaram, foram santificados e reabilitados pelo nome do Senhor Jesus Cristo e pelo Espírito do nosso Senhor.

Eis o texto sugerido por nossos leitores. Resolvi falar um pouco sobre ele. Isto, porque, fico profundamente confuso em relação a essas pessoas, ou estão pedindo ajuda na compreensão da passagem bíblica, ou acham que não lemos as Escrituras, ou se lemos, não encaramos de frente os textos que lá estão. E, por conseqüência, não teríamos como responder, numa atitude positiva, a mensagem que lá está colocada.

Confesso que se fosse um diálogo com o catolicismo, o debate seria mais profundo uma vez que, dentro da tradição católica, a proibição está focada na reflexão ética e tem suas raízes históricas profundamente arraigadas na construção da identidade do cristianismo, enquanto cultura judaico- cristã. Entretanto, a postura evangélica passa longe de compreender sua própria formação e o debate se torna, imediatamente, postulado em cima da literalidade das Escrituras. Ou seja , basta uma compreensão exegética para elucidar o problema hermenêutico imediato. Porque é, exatamente, esta a postura assumida pelo cristianismo pós- reformado.


Assim, vamos ao texto: Corinto, cidade rica e comercial, com população estimada acima de 500.000 habitantes, em sua grande maioria- escravos.

Cidade portuária, cosmopolita, abrangendo, assim, demasiada diversidade cultural, étnica e religiosa. As pessoas que lá se estabeleciam procuravam vida fácil e de muito luxo. A atmosfera de Corinto era cercada pela ambição e imoralidade. Isso se somava a desigualdade social acintosa entre a riqueza exorbitante de uma minoria e a miséria escandalosa de grande maioria. Nessa época surgiu uma expressão que dizia: "Viver à moda de Corinto", significando viver na orgia e no luxo.

Entre os anos de 50-52 da era cristã, Paulo viveu nessa cidade por 18 meses (cf. At 18,1-18) e fundou uma comunidade formada de pessoas vindas das camadas mais modestas dessa sociedade, a comunidade cristã de Corinto. A primeira carta veio no ano de 56, aproximadamente, da era cristã,  foi escrita em Éfeso. O motivo: a comunidade estava reproduzindo, no seu ambiente cristão, a vida social da cidade.

Destarte, surgiram as divisões: grupos sectários promovendo politicagens e contendas. Assim, a carta veio com alguns objetivos mui específicos: O primeiro) Restabelecer a unidade da igreja- elegendo um único líder-, a saber, Cristo, que não é divido. O segundo) Advertir contra os escândalos de incesto, julgamento em tribunais pagãos, luxuria, elaborando, desta feita, uma teologia do corpo que é TEMPLO DO ESPÍRITO SANTO (Cf. I Co 5-6). Terceiro) Responder as várias perguntas de irmãos da própria comunidade, orientando-os sobre: matrimonio, celibato, divórcio ou não, virgindade, comportamento dos nubentes, novo casamento às viúvas, culto aos ídolos (Cf. I Co 7). Depois fala da liberdade cristã e o RESPEITO AOS OUTROS, colocando, tal respeito, como fundamento dessa liberdade (Cf. I Co 8-10). Quarto) Estabelecer a compreensão da ordem no culto, assim, postula o fundamento do véu às mulheres, protesta contra as diferenças de classe social, escrevendo o poema, falando do verdadeiro fundamento que sustenta todos os outros como a fé e a esperança, a saber: o amor! Ou seja- todos os dons só têm verdadeiro significado, quando em amor são colocados a serviço uns dos outros (Cf. I Co 11-14). O quinto) Falar da ressurreição, do ápice da fé: que é a vida superando a morte (Cf. I Co 15).



Bem, o primeiro aspecto era compreender a carta, suas motivações, seu panorama e sua importância cultural na formação de uma identidade cristã na igreja nascente. Agora, é interessante contextualizarmos a passagem sugerida dentro da própria carta, para uma compreensão exata da mensagem do autor.

A perícope que nos foi sugerida encontra-se no segundo grande bloco temático. Tal bloco contém o desenvolvimento da chamada teologia do corpo- que é oposta à imoralidade. Portanto, há uma apologia direta, clara e objetiva à questão da liberdade :"...tudo me é lícito, mas nem tudo me convém". O cristão deve saber discernir o que leva o crescimento humano- da condição da pessoa e seu desenvolvimento salutar. O Cristo nos libertou e essa liberdade é para ser vivenciada, não devendo se perder, ou se fazendo novamente escrava nem mesmo da própria pessoa, dos seus desejos, do seu corpo. Este é templo do Espírito e onde há o Espírito há liberdade.

Portanto, a perícope do capítulo 6, 9-11 faz a transição do tema anterior (julgamento em tribunais pagãos) ao tema do corpo. Tudo refletindo uma única estrutura para condenação dos injustos, que , na verdade, seus pecados (os da injustiça) são tais como o da prostituição ou imoralidade.

Nesse momento, Paulo faz uso de dois termos gregos para transição e comparação da injustiça imoral dada à prostituição: Malakois e arsenokoitai. Teologicamente, não há consenso sobre o que significa exatamente esses verbetes. Entretanto, um teólogo biblicista, Robin Scroggs, compara estes com a prostituição masculina. Então, malakoi seria o jovem efeminado que se oferece para ter relação com homem adulto (prática comum na Grécia antiga). Valendo-se dessa oferta, os arsenokoitai seriam os homens que pagariam para ter tais jovens. Sustentando, o teólogo, sua tese no versículo que diz do pornô ou imoralidade difunda no bloco completo da perícope.

Contudo, Malakoi não está relacionado a uma interpretação única, imediatista, ou fundamentado numa postura restrita, simplória, como se esses jovens, que o biblicista considera, fossem garotos de programas, exclusivamente, homossexuais. A compreensão deve ser in totum, sem preconceitos oriundos da época vitoriana. Malakoi também é citado nos Evangelhos de Mateus e de Lucas. Vamos aos textos:

  • O que vocês foram ver? Um homem vestido com roupas finas (malokoi)? Mas aqueles que vestem roupas finas (malakoi) moram em palácios de reis (Mt 11,8);
  • Mas o que saístes a ver? Um homem trajado de vestidos delicados (malakoi)? Eis os que andam com preciosos vestidos, e em delícias, estão nos palácios reais.(Lc 7,25).
Malakos (sing.), Malakoi (plur.) quer dizer delicado, mole, suave. Está relacionado com a nobreza, com os palácios dos reis e, na época romana, com a vida farta dos palácios cheia de LUXÚRIA. É usado para os jovens dos cultos de Afrodite nos templos, pela beleza e suavidade.

Como Paulo estava combatendo uma ideia dentro da comunidade de Corinto, que havia se infiltrado no modus vivendi daquelas pessoas, o uso do termo malakoi diz da prostituição, ou sexo em favor da ganância pela vida regrada. Em outras palavras, daqueles que se prostituem nos palácios para ter muito dinheiro e regalias reais. Também diz daqueles que se casam por dinheiro, ou daqueles que namoram por causa de uma casa de luxo ou um carro do ano, ou do bom nome da família do pretendente. O termo que Paulo usa para especificar aqueles que vivem à moda de Corinto, ou seja, na orgia e no luxo é malakoi.

Também, o termo arsenokoitai foi empregado no texto e ele diz do macho ligado ao sexo para ritos pagãos (culto ao sexo), nos templos greco-romanos. Eram ritos de iniciação sexual e coloca o nosso texto, portanto, comparando o pecado da idolatria, ao pecado da porneia. Ou seja, a idolatria gerada pela injustiça é prostituição aos olhos de Deus e destrói o corpo, gera a imoralidade, escraviza a alma.

Assim, dados os devidos esclarecimentos, o texto não trata da homossexualidade como, hoje, é entendida. Também há um erro de tradução crasso nas escrituras ao traduzir malakoi por efeminado (como um menino cheio de jeitos femininos), porque a tradução correta falaria da luxúria e do obreiro do sexo para arsenokoitai, ligando toda lógica de Paulo à sua estrutura verdadeira, pois os efeminados e os sodomitas ficaram na lógica estrutural fora do próprio contexto. Ele diz da injustiça que é imoral, idólatra, depravada, adúltera, luxuriosa e se encontra dentro dos templos entre beberrões, ladrões e avarentos, que se caluniam mutuamente vivendo à moda de Corinto.

Se os homossexuais viverem uma vida luxuriosa tal texto é também para eles, mas os efeminados não serão jogados para fora do reino de Deus, porque nesse texto o termo grego é malakoi e quer dizer delicadeza da vida desregrada! Portanto, pegue o texto, leia todo o capítulo 5 até o 7 e veja se a transição, no capítulo 6, 9-11, não fica melhor, ou seja, na lógica do contexto, sendo traduzido da forma correta e não pelo caráter preconceituoso, oriundo da época do vitorianismo, que deixou o texto sem uma lógica real.

Comentários

  1. Nossa,

    muito bom esse estudo, parabéns pelo conteúdo esclarecedor. Muito me ajudou, mesmo!

    Agradeço a Deus por vcs e esse blog abençoado

    ResponderExcluir
  2. Obrigado por postarem este esclarecimento. Infelizmente o qua mais existe são pastores homofóbicos e fiéis que seguem a mesma linha cegamente. Tomara Deus que chegue um dia, onde as pessoas abrirão seus olhos para a luz, e todos venhamos amar à Deus acima de tudo e ao próximo como a nós mesmos, respeitando a diversidade deste mundo.

    ResponderExcluir
  3. gostaria q vc comentasse esse assunto sobre a óptica católica , achei interessante o seu comentário inicial sobre a questão da ética cristã , obrigida e aguardo sua resposta ...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

1-Este blog aceita comentários que sejam específicos, ou em diálogo com as postagens correspondentes, conteúdo fora do contexto da mensagem correspondente poderá não ser publicado.

2- São vedados comentários com conteúdo de pregação ou proselitismos de doutrinas específicas de igrejas cristãs, ou qualquer outra religião,salvo quando estes se referirem à crítica de uma postagem principal em concordância ou discordância da mesma, devidamente fundamentados.

3-Conforme art. 5º, IV da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato.

4-Todo conteúdo dos comentários será avaliado, sendo reservado o direito de não serem publicados, os comentários, caso seus fundamentos sejam ofensivos ou desrespeitem o direito dos homossexuais.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Levítico 18,22. 20,13

Oito motivos para ter uma chuca portátil

Namoro Gay