Seria possível o diálogo?


Não quero me estender neste texto, apenas pontuar algumas coisas. Sou aberto ao diálogo, desde que, ele SEJA DIÁLOGO! No meio da militância LGBT essa possibilidade nos foi ventilada: conversarmos com setores do cristianismo. Ora, em princípio, recepcionada com alegria, mas, começo a identificar que esse convite, de determinados grupos cristãos, de diálogo não tem nada!

Começo a entender que no joguinho morde- assopra, esses grupos, que dizem querer dialogar, na verdade, querem impor o silêncio na militância; miná-la por dentro, com sinais de amizade, descaracterizá-la. Agem de forma ardilosa... Pontuam uma série de coisas, que dizem que os gays deveriam ter, para, na sequência, criticarem duramente às conquistas, que tinham afirmado merecermos.

Por outro lado, seria ingenuidade de nossa parte acreditar piamente que evangélicos dialogam! Esses de matizes calvinistas e neopentecostais... Gente, eles não conseguem fazer isso nem com a Igreja Católica, quanto mais com as comunidades LGBT(s).

Leiam o que dizem sobre nós! A propósito, inclusive, o Caio Fabio, que tem muito gay que o acha fantástico, espetacular, pois diz algumas palavrinhas de misericórdia e tolerância. Esse mesmo, se volta contra o PLC 122/06 e toda militância LGBT. Para ele gays são bons desarticulados, calados, quietos, sem direitos, desfrutando apenas da misericórdia do bom coração cristão, que joga migalhas debaixo da mesa para os animaizinhos homossexuais se alimentarem.

Na mesma linha, segue esse juiz federal, William Douglas Resinente dos Santos, que escreve esses artigos que andam circulando por aí, e inclusive, já foi, um deles, rebatido aqui nesse blog (Religioso e sem juízo). Para ele gays têm direitos, mas há que se perguntar: “quais (até mesmo, permanecer caldo é um direito, e sinceramente, tenho a impressão que quando o William fala dos nossos direitos ele se refere a esse!)?”. Pois, o morde e assopra é tão descarado; é tão aviltante, que ele tem a coragem de dizer que temos direitos, e bastam os mesmos serem a nós conferidos, que ele GRITA que temos, mas não é bem assim, pois fulano errou, sicrano trocou os pés pelas mãos, e no final, quem está certo é o Marcelo Crivella!

Proponho sim, que dialoguemos, mas em cima de nossa agenda propositiva. Proponho sim o diálogo, mas do mesmo jeito que eles têm feito: no ataque! Nenhum LGBT conquistou a equiparação de direitos pelo STF, bebendo leite e falando da cruz de Cristo! Conquistamos com reiteradas ações ajuizadas, e com muito barulho, não é hora de baixarmos a guarda, vamos seguir do jeito que vem dando certo, pois Direito é luta, e no final: a paz!

Comentários

  1. Renato: sua avaliação é correto... Creio que não se pode pensar a liberdade e a inclusão no que nomeado de inclusão diferencial... porém, me parece pertinente separar as instituições de uma ética de amor inclusivo pertinente às vivências do cristianismo puro. é o mesmo debate que fez Rosa de Luxemburgo quando separou ainstituição das vivências solidárias do primitivo cristianismo.
    Direitos são inegociáveis... Vivência é intimidade; não pode ser arbitrada pela moralismo de culpa e ressentimento, de normalidade institucionalizada que é em si mesma excludente.
    Abraços com ternura, jorge
    www.jorgebichuetti.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

1-Este blog aceita comentários que sejam específicos, ou em diálogo com as postagens correspondentes, conteúdo fora do contexto da mensagem correspondente poderá não ser publicado.

2- São vedados comentários com conteúdo de pregação ou proselitismos de doutrinas específicas de igrejas cristãs, ou qualquer outra religião,salvo quando estes se referirem à crítica de uma postagem principal em concordância ou discordância da mesma, devidamente fundamentados.

3-Conforme art. 5º, IV da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato.

4-Todo conteúdo dos comentários será avaliado, sendo reservado o direito de não serem publicados, os comentários, caso seus fundamentos sejam ofensivos ou desrespeitem o direito dos homossexuais.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Oito motivos para ter uma chuca portátil

Romanos 1,18-32

Levítico 18,22. 20,13

Namoro Gay

Bluetooth para pegação gay