terça-feira, dezembro 12, 2006

Cuidado, eu sou salvo!

Cuidado, eu sou salvo!

Vi escrito em um carro: ( adesivo) Cuidado esse carro pode ficar desgovernado, a qualquer momento posso ser arrebatado!

Os complexos filosóficos, religiosos e político por detrás desse pensamento são horrendos, um verdadeiro terrorismo contra tudo o que possa haver de melhor no ser humano e no mundo. Conclui que aquele motorista está acima e sobre os outros, que ele e não os outros serão arrebatados... É como fazer figa, botar a língua para fora para os que não chegarem lá e, isso, antecipadamente... Essa é a religião da salvação individual, uma monstruosidade!

O maior terrorismo

Não há terrorismo maior (nessa época tão preocupada e sofrida com isso, talvez entendamos) do que a crença necessária, o ter que crer para viver.
A raiz de todo terrorismo é a noção de poder impor condições via recursos extremos e resultados definitivos. De onde vem isso senão do grande terrorismo das opções radicais entre céu e inferno, que são as religiões. Essas duas bombas, o céu e o inferno, ambas impostas por quem tem o poder de decidir, são usadas como motivadores de crença. Elas tornam necessárias as salvações e os salvadores, validam as crenças, definem as éticas e moldam as sociedades à imagem e semelhança do terror Maior.

Deus no inferno

Houvesse Deus criado de fato um inferno e, para ele fosse uma de suas criaturas, iria Deus com ela.
Existisse mesmo um inferno, para o qual fosse a maioria dos seres humanos teríamos, então, que converter Deus à sua própria doutrina de amor.
Diante da possibilidade da existência de um inferno eterno teríamos que tomar uma atitude, fazer um abaixo assinado com bilhões de assinaturas contra tal instituição, pressionar Deus para que fechasse essa aberração e, mostrar-lhe ser impossível continuar sendo Deus sustentando coisa semelhante.
Isso se se crê de fato no amor ensinado por todas as religiões!

O outro de fora

Perece que muita gente não pode se sentir segura em um barco se alguém, ou melhor, a maioria, não ficar na margem. Para tantos, o céu só é céu havendo um inferno. Dai para frente, só ganhamos quando alguém perde, só temos quando alguém não tem.

A conversão, iluminação etc devem começar com um profundo arrependimento dessa atitude.

Onaldo Alves Pereira
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=4437685
Quão gracioso o caminho que se desdobra em mil para não deixar ninguém de fora!

domingo, dezembro 03, 2006

UMA POSTURA IDEALISTA, MAS NEFANDA

SOBRE O PASTOR NORTE-AMERICANO E SUA HOMOSSEXUALIDADE
Gostaria de fazer um comentário, aqui, neste texto, enquanto esse algo mais que, na verdade, é fruto de uma crítica filosófica ferrenha, mas epistemologicamente válida enquanto reflexão e analise ontológica.

O idealismo platônico permeia o discurso religioso, e a mente ocidental de forma geral. É fato que desde a physis, ou seja, o nascimento da filosofia com essa escola de pensamento, os naturalistas negaram a opinião e os sentimentos (sentidos), em prol da razão. O próprio Heráclito, celebre pelo pensamento do movimento, do que tudo passa, tudo escorre, tudo muda é, nessa condição, também contrário aos sentidos em favor de algo racional, dito como verdade superior: "a verdade consiste em captar para além dos sentidos a razão que governa todas as coisas". Ainda, dizia ser olhos e ouvidos más testemunhas para os homens, sendo a razão que julga a verdade. Ou seja, talvez, uma razão que contraria o seu próprio pensamento sobre o movimento de todas as coisas. Ele não diz, mas a estabelece como algo quase que intocável, o crivo último de todo o saber verdadeiro, algo como o divino. Quando acontece o surgimento da metafísica, e sua sistematização com Platão, todo o ranço grego contra os sentidos estava presente no pensador, e mais, toda a forma órfica de entender o homem e seu corpo, em uma dicotomia caustica com a alma.

O corpo é o cárcere da alma, lugar dos prazeres e dos vãos sentidos. Existe um mundo supra-sensível, um mundo Ideal, do qual um dia a alma contemplou, mas se esqueceu, por ter sido aprisionada no corpo, mas que eventualmente se lembra desse lugar, e do conhecimento verdadeiro ali adquirido. Essa postura é acentuada no estoicismo, e sua moral exacerbada, e transferida ao cristianismo pela figura do apostolo Paulo. Um mundo ideal, perfeito, harmônico conduzido pelo Belo. Toda a verdade administrada aos objetos conhecidos atribui a faculdade do cognoscente ser Idéia do Bem.

O algo mais se dá aqui! Um líder religioso, platônico na essência estrutural do pensamento, tem como forma ética uma postura idealizada do comportamento social, uma postura idealizada de vida, que imagina uma sociedade perfeita, harmônica e livre de todo mau, que é a ausência do Belo, do Bom. Entretanto, para que isso aconteça, essa Idéia se torne tangível, uma busca deve acontecer... Isso certamente deverá passar pela negação dos desejos e dos prazeres carnais, que aprisionam a alma, sucumbem a verdade e destroem a Razão. A negação do corpo, dos desejos causam uma "esquizofrenia perceptiva", uma patologia neurótica comportamental. A visão do ser-no-mundo, a mesmeidade, não condizem com a hipsidade. Eu me imagino idealisticamente, platonicamente, um ser santificado, um homem segundo o coração de Deus, em estado puro. No mundo tenho que negar meus sentidos, minhas paixões, meu corpo, aquilo que me afasta do estado Ideal; a minha mesmeidade é de um homem santo, que peca, mas que busca a purificação. Minha hipsidade é contraria, sou gay! Mas como ser-no- mundo, isso é inadmissível, pois não é meu estado ideal. A "esquizofrenia perceptiva", acontece de forma antropológica, eu sou gay, mas quero um estado Ideal. Portanto, combato tudo aquilo que é minha forma hipsica, e não me enxergo como gay, mas como alguém que ainda falha na busca do Ideal último.

Essa postura, que foi combatida por Nietzsche, é esse mal social que nega o mergulhar do homem em sua lama interior, compreendendo que essa "lama" não é má, não é suja, mas é a própria humanidade (húmus, terra, lama), em sua potencialidade de vir-a-ser o super- homem; aquele que não nega seus instintos, mas que os vive em estado pleno. Nesse aspecto, e termino aqui, concordo que não apenas o pastor evangélico é vitima de sua sexualidade mal resolvida, mas todo o ocidente aprisionado na Idéia de Platão e seu profeta Paulo, o apostolo.
Abraços

Renato Hoffmann

domingo, janeiro 01, 2006

Paz?

REFLEXÃO

Fala-se de paz em 2006; povos desejam a harmonia, e a celebram como entrada de um novo ciclo de vida. Mas a paz entre os homens não é uma hipótese comum. A mesma ideologia que rege a paz como belo, como o ideal dos povos, como o valor a ser conquistado, também, joga, essa paz, na desesperança por "endemonizar" conceitos da vida social que não afetam a ninguém de forma destrutiva, mas que pelo preconceito são postos à margem, afligindo milhões em nome de uma ética que faz a guerra em nome da harmonia, do triunfo, da perfeição.

Que conceitos seriam esses? Hoje, o conceito de se amar a quem quiser amar. Como pode de uma instituição religiosa, na sua missa mais bela, que anuncia a chegada do salvador, em uma homilia, teologicamente, perfeita, encontrarmos o paradoxo tão crucial e cruel à vida? Bento XVI falava de paz em 25 de dezembro de 2005, mas declarou guerra, logo depois, colocando jugo sobre os ombros de tantos, pela sua preocupação com o modelo familiar, que santificou a pureza de um relacionamento- homem e mulher- e condenou, de forma mesquinha, outras possibilidades, que não afetariam a estrutura do humano.

Guerra não é só das armas; o mundo viveu durante muito tempo a GUERRA FRIA! E hoje, na prisão sem muros, a guerra da indiferença e do preconceito à homossexualidade é declarada de forma estúpida, negando o desejo utópico de um mundo que viva em paz. Negando, sim, pois quando não se respeita o que é natural, e se tenta aprisionar sentimentos, o que acontece é o estado de revolta constante pela aflição e incomodo da realidade atormentada. Como o homem poderá viver em harmonia com o outro, se ele vive em desarmonia consigo, com sua natureza, com seus desejos, com sua forma de ser e de se reconhecer?

Falar de paz está na moda, promovê-la é que está démodé, falar de paz até o presidente da nação mais poderosa do mundo falou, enquanto, ele mesmo, retirava a paz de milhões no oriente. Falar de paz virou top de linha nos discursos de marketing, viver em paz é que ninguém consegue! O homem continua sendo o lobo do homem, e enquanto isso não for domesticado não haverá paz.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...