Quando um grande amor se vai...

Hoje estive só, e confesso que, por mais rodeado de pessoas que se possa imaginar, estou só. E tem sido assim há um bom tempo! No começo tudo era tão perfeito, por mais imperfeições contidas, um único desejo, ainda que tácito, ou silencioso: ser amado como estava amando. No começo tudo era ilusão. O mundo respirava seu perfume, sua voz era ouvida, mesmo quando somente o olhar dizia...

Estar perto era mágico... Diante de sua presença não havia mais nada, mais nada que pudesse interessar, ou despertar à atenção voltada a uma entrega, pois tudo já era, docemente, ofertado à sua pessoa.

De súbito, a realidade foi se fazendo cruel, ou meramente percebida. Tudo era uma questão de leitura, ou de saber interpretar os fatos. Alguém um dia afirmou: "o amor é cego!", ou cegas seriam as pessoas que dele desfrutam? Sua presença, ainda que desejada, era negada! Conscientemente negada, perversamente proibida a mim. Por mais que se pedisse motivos, a única razão era o silêncio, ou olhar interpretado, erroneamente, cediço.

Desejo proibido, mas quem o tornou defeso? A própria sedução, ou seria o narcisismo? Ainda, o sadismo... Quem poderia intervir para ajudar, o fez, mas não com indulgências, e a única intenção se refletiu na destruição... Quebraram, quebraram, aquilo que não tem conserto! Nem o tempo restaura, às marcas ficam, e as cicatrizes são doloridas. Eis o meu coração, eis o teu coração! (vide cor meum... vide cor tum!).

Foi assim que o perdi... Mas, de fato, pode-se perder algo que não se tem? Pode! Pode se descobrir que não se possui aquilo que se imagina possuir. Eis a perda, a perda de si...

E na noite de 25 de setembro de 2007, com pesar eu o vi se afastar de mim, a alegria se tornará amaríssimo pranto. Amargas foram as lágrimas, lágrimas de um coração ardente, consumido por um silencioso amar...

Veja o meu coração;
Veja o meu coração;
Meu coração...

Assentado chorei, caminhando choro, dormindo derramo meu pranto. Hoje estive só, e confesso que, por mais rodeado de pessoas que se possa imaginar, estou só. Eis o homem quando um grande amor se vai!

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Levítico 18,22. 20,13

Oito motivos para ter uma chuca portátil

Namoro Gay