Casamento gay e revolução

Pode parecer estranho, mas casamento gay, por vezes, é um assunto polêmico até mesmo entre... Gays.

por João Marinho

Os motivos, claro, são diferentes daqueles homofóbicos: nada a ver com a história de “casamento é entre um homem e uma mulher” – argumento que nem encontra pleno apoio na história humana –, ou com a “impossibilidade” de gerar família, como se família fosse definida tão-somente por descendência e laços genéticos: a adoção está aí para provar que não é assim, bem como os casamentos de heterossexuais que não podem, ou optam por não ter filhos.

Subversão

O que polemiza o assunto entre os gays, principalmente, é a suposta perda do aspecto questionador da homossexualidade.

Por estar historicamente excluída do modelo “papai-mamãe-filhinhos” (a família nuclear), a homossexualidade guardaria um quê de subversiva. Ser gay é mostrar que outros modelos são possíveis e que o nuclear guarda boa dose de hipocrisia.

Os militantes gays brasileiros mais antigos, especialmente os influenciados pelo pensamento de esquerda, assim consideravam. Por isso, para muitos deles, o casamento era, e é, uma instituição falida.

Esse argumento ainda ecoa, e é uma das principais restrições gays ao casamento gay. Por que o movimento LGBT cerra fileiras na aprovação de leis que nos garantam acesso a uma instituição desacreditada e esgotada até para os héteros?

Decadência com elegância

Bom, penso que existe uma supervalorização inadequada da ideia de “decadência do casamento”. Não vejo as taxas de casamento diminuindo significativamente – e a instituição ainda é uma das mais interessantes ferramentas de consecução de direitos. Mesmo com o inegável crescimento do divórcio, não se pode negar que muitos divorciados casam-se novamente. A “decadência do casamento” parece mais um desejo do que uma realidade dada.

O que considero que pode estar em crise é, isso, sim, o modelo da família nuclear e talvez da monogamia estrita que embasa a noção ocidental de casamento – mas modelo nuclear, monogamia e casamento não são sinônimos. Exemplo são os casamentos poligâmicos que existiram e ainda existem em outras sociedades. O casamento é anterior à família nuclear.

Por isso, entendo que a tendência é que o modelo de família e relacionamento se flexione, mas que a instituição casamento permaneça. É o que vemos hoje no Brasil: famílias chefiadas por mulheres, por casais gays, com filhos adotados, com filhos de diferentes casamentos, formadas por não-filhos...

A família nuclear está longe de ser o único modelo – mas as pessoas continuam se casando, e, por vezes, o casamento até entra como ingrediente na formação de uma família diferenciada – como é, justamente, o caso do casamento gay.

Viver a vida

Desse ponto de vista, o casamento gay deixa de ser algo que nasceu falido para ser uma evolução dos direitos civis, humanos, sociais, afetivos e até reprodutivos.

Ademais, existe um dado inegável: por mais críticas que tenhamos ao casamento-instituição, a verdade é que, antes do século XX, os gays nunca haviam desfrutado desse direito. No Brasil, nunca desfrutaram.

Isso faz diferença. Uma coisa é não fazer algo porque não se quer. Outra é não fazer porque não se pode. Parece-me mais justo permitir a nós, gays, vivermos a experiência coletiva do casamento, passarmos por nossa própria “crise da instituição”, tecermos nossas próprias críticas – que não serão necessariamente as mesmas dos heterossexuais – e, quem sabe, mudar-lhe todo o significado.

O casamento gay é uma coisa muito nova. Não sabemos “no que vai dar”. Negar-nos isso por meio da “decadência do casamento” é que é uma crítica reacionária e conservadora, pois parte da noção de que o casamento nuclear hétero e “falido” é o único modelo possível – além de cometer o erro de tentar prever o futuro.

Texto meu publicado na Sex Boys nº 70.

Comentários

  1. Olá chamo-e Sérgio daude e gostaria de convidá-los a visitar o eu blog www.desigualdadedireitos.blogspot.com e a comentar sobre a adoção gay e contribuir deste modo para que a adoção gay seja uma realidade em Portugal assim como já o é o casamento. Não sou gay, é verdade mas sou pela igualdade de direitos entre todas as pessoas e pelo direito das pessoas á felicidade e a dar e receber.
    È necessário que se desmistifiquem pois as parangonas sociais que ouvem adoção pedófila em vez de adoção gay sempre que se fala em casamento gay.
    Estejam pois à vontade para enviar os seus comentarios e participem no fórum.
    Contribuámos assim para uma sociedae que se deseja mais justa e equitativa
    um abraço

    ResponderExcluir
  2. Olá

    Apesar da famosa chacota à "família margarina" e ao fato de a instituição familiar tradicional abrigar muita hipocrisia e dissimulação, eu vejo a possibilidade do casamento gay como uma conquista para os homossexuais. Isso desmistificaria um pouco a nossa imagem, ainda que, como bem frisado, faria com que "a classe" perdesse um pouco do caráter "subversivo" a ela atribuido.

    Uma das "teclas" que mais pressiono em meu blog é sobre a diferença entre condenação bíblica à promiscuidade e a homossexualidade propriamente dita. O casamento seria um modo de mostrar aos cristãos tradicionais que é possível ser homo sem ser promíscuo.

    Abraços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

1-Este blog aceita comentários que sejam específicos, ou em diálogo com as postagens correspondentes, conteúdo fora do contexto da mensagem correspondente poderá não ser publicado.

2- São vedados comentários com conteúdo de pregação ou proselitismos de doutrinas específicas de igrejas cristãs, ou qualquer outra religião,salvo quando estes se referirem à crítica de uma postagem principal em concordância ou discordância da mesma, devidamente fundamentados.

3-Conforme art. 5º, IV da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato.

4-Todo conteúdo dos comentários será avaliado, sendo reservado o direito de não serem publicados, os comentários, caso seus fundamentos sejam ofensivos ou desrespeitem o direito dos homossexuais.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Levítico 18,22. 20,13

Oito motivos para ter uma chuca portátil

Namoro Gay