Foo Fighters enfrentam extremistas religiosos com canção de amor homossexual


Banda vestiu fantasias para confrontar manifestantes 'antigay'



Os Foo Fighters entraram em confronto direto com manifestantes religiosos na entrada de um show da banda no último fim de semana em Kansas City, nos EUA. Para o combate, fiéis da igreja extremista Westboro Baptist Church levaram as tradicionais placas com dizeres como "Deus odeia os gays" e fotos de Obama retratado como o anticristo. A instituição é conhecida por organizar protestos ofensivos contra celebridades envolvidas com o direto de minorias, como a invasão do funeral de Michael Jackson.

A banda de Dave Grohl contra-atacou com uma performance surpresa de Keep it clean (Hot buns), uma provocação direta. Com letra dedicada ao amor homossexual, a canção provocou a ira dos religiosos desde o lançamento de um vídeo promocional que mostra os roqueiros fantasiados com perucas e acessórios ligados ao universo gay, em agosto. 

A direção da instituição religiosa declarou que os Foo Figthers "têm uma plataforma que deveria ser usada para encorajar a obediência a Deus; ao invés disso, eles ensinam aos ouvintes os procedimentos que são contrários à Ele: fornicação, adultério, idolatria, bichas". Ao tomarem conhecimento da manifestação que confrontaria os fãs na chegada ao local do show, a banda improvisou o mesmo figurino usado no vídeo e foi à rua para o embate.

Aproveitando a aglomeração de curiosos durante a performance, Dave Grohl incitou a multidão com um discurso a favor da liberdade. "Eu não me importo se você é negro ou branco ou roxo ou verde, nem se você vem da Pensilvânia ou da Transilvânia, se é Lady Gaga ou Lady Antebellum", disse o vocalista. "É preciso que existam todos os tipos! Homens amando mulheres, mulheres amando homens, homens amando homens e mulheres amando mulheres... Deus abençoe a América!", declarou.

Fonte: Uai


Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Romanos 1,18-32

Levítico 18,22. 20,13

Juiz erra em decisão liminar: clínica psicológica não é laboratório de experiências científicas