Sessão pipoca: O pecado da carne



Ran Danker protagonista do filme O pecado da carne


Bom, mais um filme em que eu convidei os amigos, para que eles assistissem comigo lá em casa! Ao término, Marcela, indignada, fez  às vezes:

- Renato, claro que isso é uma tendência exagerada da realidade, essas coisas não são comuns assim do jeito que os roteiristas querem. Eu não tenho nada contra a homossexualidade, enfim, mas para mim é claro que isso é marketing.

- Marcela você poderia ser mais específica, por favor?

- O que eu estou afirmando é que isso faz parte de uma agenda, Renato, que pretende como objetivo trazer o comportamento gay mais próximo da realidade. Eu não estou julgando, dizendo ser isso bom um ruim, apenas estou dizendo que é certo exagero, e que na realidade não é tão fluente assim, como, por exemplo, esse filme trouxe na temática.

- Então você está dizendo, para mim, que homens casados, ou que tenham namoradas, não se envolvem com outros homens, tão facilmente, ou fluentemente, como queira, do jeito que o cinema e a mídia, em geral, vêm abordando, e isso parte de uma agenda propositiva para catequizar o povo ao comportamento gay, é isso?

-  Você é inteligente, Renato, e capta bem as coisas (risos)!

- Entendo! Marcela, por que você e o Sandro terminaram mesmo o namoro, afinal, vocês namoram dois anos e meio?

- Uai, Renato, vai desconversar agora?

- Não estou desconversando (risos)...

- Você sabe, eu te contei, não entendo o porquê desse assunto agora, do nada...

- Apenas responda... Por que você e o Sandro terminaram o namoro?

- Ok, ele estava tomando banho lá em casa, e eu mexi no celular dele, queria saber se ele guardava minhas mensagens, no entanto, encontrei um tanto de mensagens de amor, de uma vagabunda chamada Chris, com quem ele me traia, foi por isso, Renato!

- E você sabe quem é Chris? Ou pelo menos o nome completo?

- Não, não sei, mas deve ser Christiane...

- Não é não! O nome da Chris é CHRISTIAN

Atônita pela revelação, Marcela fica algum tempinho em silêncio, fita o olhar em mim e responde:

- Você está brincando!

- Não estou não, há dois meses, o Sandro apresentou o Christian para o Loren, no Graciliano Lourdes (bar- restaurante, frequentado pela comunidade gay). Também, a família do Sandro descobriu, a coisa está meio em segredo, mas você pode perceber que anda todo mundo sumido do clube. Tipo, eu penso que a coisa é mais fluente do que você pensa, inclusive aconteceu com você, e isso não faz parte da minha agenda gay para tentar te catequizar em alguma coisa LGBT.

A conversa se estendeu noite adentro, com a participação do Loren e outros amigos.  

E você acha, também, que a homossexualidade é mais uma questão exagerada da realidade do que um fato constado? 



Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Romanos 1,18-32

Levítico 18,22. 20,13

Oito motivos para ter uma chuca portátil