Gays de direita

Gays de direita


por João Marinho

Está aí um assunto polêmico que merece importantes considerações. Muitos LGBTs acreditam, erroneamente, que seja "impossível" ou "paradoxal" existirem LGBTs direitistas.

Não é.

Tal como acontece na esquerda, existem diferentes extratos da direita no espectro político. Alguns são realmente fundamentalistas, misturam religião com Estado laico e falso moralismo, em um conservadorismo chocante e hipócrita. Aí, sim, há um paradoxo – só que nem todos são assim. Até porque, também existem esses tipos de personagens, mudando uma coisa ou outra, que, no entanto, denominam-se "esquerdistas com orgulho".

Na verdade, é preciso entender que existem LGBTs em todos os segmentos e cores políticas. Embora eu seja utopicamente anarquista e, na prática política, esquerdista social-democrata – não compactuo com a esquerda mais comunista e aguerrida: nunca acreditei no "Estado operário" nem na "ditadura do proletariado" –, não me incomoda haver gays que são direitistas, no sentido político da palavra "direita", ou seja, que defendam o livre mercado, o Estado mínimo, a regulamentação individual e a lei de oferta e procura. 

Não acho que ser LGBT signifique necessariamente, ou tenha de significar, ser esquerdista. Até porque, sejamos sinceros, num passado não muito distante, a esquerda foi tão ou mais homofóbica quanto segmentos de direita, a ponto de chamar a homossexualidade de "vício burguês". Não podemos deixar de observar, também, que os ex-países socialistas estão hoje entre os mais legalmente homofóbicos do mundo. Foram os países capitalistas que começaram uma mudança, notadamente os nórdicos social-democratas.

Mesmo hoje, há esquerdistas que veem na luta contra a LGBTfobia uma "luta menor", sendo a maior a luta de classes. João Silvério Trevisan já escreveu exaustivamente sobre isso em seus artigos, contando como a esquerda cooptou o movimento LGBT. Portanto, ser dono do capital ou ser trabalhador não deve ser parâmetro para respeitar ou não uma pessoa.

Há donos de capital que são mais simpatizantes que trabalhadores assalariados homofóbicos. É natural que nos unamos na luta contra a homofobia e outras "fobias", mas, na hora de discutir sobre o papel do Estado e da economia, discordemos, se eu tomar como parte as minhas ideologias políticas.

O ponto principal é que o direitista (e/ou o esquerdista) não seja um retrógrado moral e homofóbico, por ser esta uma condição que nos retira a cidadania – e há os que não são – e que seja terminantemente democrático, porque não é possível hoje defender nenhum tipo de ditadura. Nem as de esquerda. Resolvido esse ponto, a direita, no espectro político, é um interlocutor tão ou mais respeitável que a esquerda.

Ademais, é bastante positivo que existam, inclusive, LGBTs direitistas. É natural da democracia a alternância de poderes. Havendo LGBTs com tendência à direita e seus simpatizantes, não corremos ou corremos menos o risco de ter nossos direitos cassados pelas alas fundamentalistas, quando a esquerda sair do poder... E ela irá sair, como é próprio da democracia.



Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Levítico 18,22. 20,13

Oito motivos para ter uma chuca portátil

Namoro Gay