Assembléia de Deus e a homossexualidade



A homossexualidade nas igrejas evangélicas, em especial a igreja Assembléia de Deus, ainda é um dos temas mais polêmicos que reside, comparam os sentimentos homossexuais como um desvio de personalidade, chegando ao extremo de fazerem alusões a viciados e criminosos que, por isso, devem abandonar suas praticas pecaminosas e assumir sua real identidade. Para isso se baseiam nos versículos de Gn. 1:27; I Co. 6:10 e Rm. 1:18-32.

As conseqüências dessa visão homofóbica e descontextualizada dos versículos da bíblia vem gerando dentro das igrejas muitos problemas psicológicos na vida de milhares de homossexuais cristãos, que assim como eu, são vítimas do preconceito, discriminação e falta de amor.

Enquanto a bíblia afirma que não devemos fazer acepção/discrimanção de pessoas, que a Lei do Amor deixada por Jesus deve prevalecer sobre todas as outras, o que presencie na AD foram atos cruéis onde o ódio, expresso através da expressão verbal e violenta rejeição, toma de conta de um arsenal totalmente contrário ao discurso genuíno enfatizado pelo Messias.

É muito fácil para quem vive uma sexualidade considerada pelos doutores da lei como “sadia”, e, de certa forma - se consideram do lado de fora dos versículos de I Co 6:10, onde Paulo escreve aos Coríntios - sem levar em conta o que Jesus ensinou, em especial aos próprios “sadios”, em Mateus 5:21-34, se referindo a um contexto antigo, onde falava com a sua própria autoridade para alterar e atualizar toda a Escritura que diz que a cólera contra alguém corresponde ao homicídio, o cobiçar uma mulher só em pensamento já é adultério, etc... esses dois exemplos básicos são suficientes para colocar em xeque o comportamento dos “sadios” para com os homossexuais, deixa em dúvida a certeza de salvação que eles fazem questão de declarar nos seus púlpitos.

A Bíblia é usada como provedora do alimento espiritual foi eclipsada vária vezes devido a más interpretações, dado que Deus fala através dos homens e de uma forma humana. Prova disso é a forma que foi usada para justificar a escravidão e impor monarquias abusivas nos séculos passados. No entanto, com o passar dos anos foi encontrada a verdadeira interpretação deste temas, até se chegar ao ponto de eliminar por completo todas as falsas interpretações. Porém, o mesmo não tem acontecido com a homossexualidade, que ainda é condenada em muitas igrejas no mundo.

O uso de dados bíblicos tem sua limitações. Por um lado, as escrituras estão histórica e culturalmente limitadas. Por outro, não seria aceitável uma tese baseada apenas em textos isolados fora de contexto.

As igrejas precisam tomar uma posição amadurecida, séria e que respeite todas as formas de pensamento, sem exclusão e muito menos intolerância. Para isso se faz necessário a elaboração de um estudo mais acurado sobre os versículos da Bíblia que tratam da sexualidade humana, sob a ótica de tentarem amenizar a brutalidade que têm cometido com seus membros gays, fazendo com que os mesmos vivam um inferno pessoal, divididos entre o dilema extremista de escolher sua homossexualidade ou sua relação com Deus.

A conclusão que chego é que as igrejas evangélicas homofóbicas como as AD's são prejudiciais para os gays cristãos que necessitam de ajuda e que lhes são negada em suas próprias congregações. O ideal seria se essas instituições religiosas reconhecessem o preconceito negativo que estão habituadas a ofertar gratuitamente aos homossexuais, que prova apenas a ignorância e falta de liberdade de expressão onde certos assuntos não são livremente debatidos como deveria ser.

*por uma ovelha gay evangélica, vítima da AD, hoje liberta pelo amor inclusivo e incondiconal de Jesus!

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Oito motivos para ter uma chuca portátil

Romanos 1,18-32

Namoro Gay

Levítico 18,22. 20,13

Bluetooth para pegação gay