Qualquer maneira de amor vale a pena



O casamento gay e os direitos dos homossexuais estão no centro dos debates em todo o mundo. Nos EUA, uma corajosa decisão do prefeito de San Francisco levou milhares de homossexuais a procurarem a cidade para legalizar suas uniões estáveis, ao mesmo tempo em que Bush propõe uma emenda à constituição norte-americana vetando expressamente o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Na Espanha, o novo governo social-democrata já anunciou que vai reconhecer a união civil.

Mas em dezenas de países, a homossexualidade ainda é crime. Gays, lésbicas, travestis e transexuais são agredidos, mortos e assassinados todos os dias, inclusive no Brasil. A homofobia, o preconceito, a discriminação, o estranhamento diante do "diferente", tudo isso continua fazendo parte do cotidiano de milhões de homossexuais e transgêneros em todos os lugares do mundo.

Passados mais de dois séculos de Revolução Francesa e de democracias burguesas, uma grande parcela da população ainda não tem os seus direitos civis reconhecidos. Os "direitos dos homens e dos cidadãos" foram, depois de muito luta, estendidos formalmente às mulheres. Já os gays e lésbicas ainda não são considerados cidadãos de primeira classe em nenhum lugar do mundo, a despeito de avanços importantes. Não existe nenhum país onde a igualdade seja plena, ou seja, onde todos os direitos assegurados aos heterossexuais sejam garantidos aos gays e lésbicas.

Caráter revolucionário


Na verdade, a luta pelos direitos civis e contra a homofobia ultrapassa seu caráter meramente liberal e tem um caráter emancipatório e revolucionário. Não alcançaremos a igualdade formal se não alcançarmos a igualdade real. E o preconceito contra gays e lésbicas só será totalmente derrotado numa sociedade que tiver erradicado a opressão de classe, o machismo, o racismo e todas as outras formas de discriminação. Trata-se, portanto, de entender o sentido extremamente avançado da luta pela livre orientação sexual. Combater a discriminação é particularmente importante para os homossexuais das classes trabalhadoras, que sofrem muito mais fortemente o preconceito e a violência nos bairros periféricos das grandes metrópoles. Lésbicas e gays pobres têm muito menos informação, são mais sensíveis à auto-rejeição e à rejeição familiar. São particularmente discriminados no mercado de trabalho, na escola e nas ruas.

Combater a homofobia é especialmente relevante para os negros, vítimas do nosso racismo secular que se vêem muito mais discriminados ao se descobrirem gays. Ou para a mulher negra, sempre na base das pirâmides quando se trata de desigualdade e que carrega estigma multiplicado ao ser enxergada pela sociedade machista e racista como uma sapatão preta. Exigir respeito e igualdade é fundamental para os milhões de jovens, sem acesso a educação, esporte, cultura e lazer, mas vítima de violência cotidiana e ainda por cima sofrendo perseguição e preconceito ao se descobrirem homossexuais ou transgêneros.

Portanto, esses temas estão articulados. A luta socialista é a luta contra todos os tipos de opressão e discriminação. Neste sentido, a bandeira do arco-íris é bandeira da diversidade, que deve ser levantada juntamente com a bandeira vermelha, dos socialistas, com bandeira lilás, das feministas e com a bandeira do movimento negro.

Governo Lula e os homossexuais


A dívida histórica do Estado brasileiro para com os homossexuais ainda não começou a ser enfrentada de fato pelo governo Lula. Nos últimos anos, houve avanços em legislações anti-discriminatórias em nível municipal e estadual. Mas em nível federal não há ainda nenhuma lei aprovada que trate de direitos e nenhuma política pública destinada especificamente a esse segmento.

Para começar a reverter esse quadro, um grupo de deputados e senadores articulou a formação da Frente Parlamentar Pela Livre Expressão Sexual com o objetivo de batalhar pela aprovação dos projetos que tramitam no Congresso e se relacionam com os direitos da comunidade. Algumas iniciativas são simbólicas, como a aprovação da união civil, proposta pela primeira vez em 1995 pela hoje prefeita de São Paulo, Marta Suplicy e que se encontra no plenário da Câmara parada há anos. Outro projeto fundamental é o que criminaliza a homofobia penalizando todos aqueles que praticarem atos discriminatórios em razão da orientação sexual de alguém. Esse projeto tem, para a comunidade gay, impacto e importância semelhante aos que a velha Lei Afonso Arinos teve para a luta anti-racista.

Além disso, há várias iniciativas urgentes que dizem respeito aos direitos dos travestis e transexuais. É preciso legalizar e regulamentar as cirurgias de redesignação genital (que permitem aos transexuais harmonizarem seu sexo biológico com seu sexo psicológico) e autorizar a troca de nomes, medida que serve tanto às travestis quanto aos transexuais.

Apesar de insuficientes, o governo Lula teve duas iniciativas importantes. A primeira foi a apresentação, no ano passado, na Comissão de Direitos Humanos da ONU, de uma resolução que incluía a livre orientação sexual como um dos direitos humanos fundamentais. Infelizmente, esse ano o governo brasileiro recuou e não reapresentou a proposta, tanto pela pressão dos fundamentalistas e de Bush, quanto por razões diplomático-comerciais: o Itamaraty preferiu não confrontar os países árabes, ferrenhos opositores da proposta.

A outra iniciativa é a elaboração de um programa nacional de direitos humanos para gays, lésbicas, travestis e transexuais chamado Brasil sem Homofobia, previsto para ser lançado no próximo dia 25 de maio. Trata-se de um programa aparentemente abrangente, que articula ações de vários Ministérios e Secretarias do Governo Federal.

Tudo isso é bom, mas o principal ainda não veio. A aprovação da união civil, com todos os direitos e prerrogativas legais que o casamento heterossexual tem, inclusive o direito de adotar. Enquanto gays e lésbicas não puderem amar e ser protegidos pela lei como qualquer outro casal, faltará ainda muito o que avançar.

Por isso, neste mês de junho, vamos levantar a bandeira do arco-íris e ajudar a construir uma sociedade menos preconceituosa, menos conservadora, mais justa e mais humana. Onde ninguém seja discriminado por amar e desejar alguém - independente de seu sexo ou identidade de gênero.

* Artigo publicado no Jornal Página13, sob responsabilidade da Articulação de Esquerda, tendência interna do PT.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Oito motivos para ter uma chuca portátil

Romanos 1,18-32

Levítico 18,22. 20,13

Namoro Gay

Bluetooth para pegação gay