Fundador do MOSES reconhece farsa dos programas de "cura"


Um dos fundadores do mais conhecido grupo evangélico que prega a "cura" dos homossexuais acaba de confirmar a farsa deste tipo de iniciaitiva. Sergio Viula, em entrevista à revista Época, finalmente se assume como gay e reconhece a mentira envolta no MOSES (Movimento pela Sexualidade Sadia).

Viula mostrou como funciona o tratamento do MOSES: "O discurso do Moses é homofóbico e cruel: ''Jesus te ama, nós também, mas você precisa deixar de ser gay''. O homossexual continua sentindo desejo, mas com um pé no prazer e o outro na dor, com sentimento de culpa, medo, auto-rejeição. Criávamos uma paranóia na cabeça deles".

O ex-integrante do MOSES falou também sobre a hipocrisia dentro do próprio grupo: "A gota d'água foi quando um rapaz soropositivo, que chegou a ser da diretoria do Moses, morreu. Ele havia se envolvido sexualmente com dois integrantes do grupo. Um deles estava tão apaixonado que chorou mais que a viúva no enterro. Comecei a pensar que o grupo não funcionava nem para os que estavam dentro dele".

Sobre sua própria homossexualidade: "Sou o melhor exemplo de que não existe ''cura'' da homossexualidade. Sabia que era gay desde os 16 anos. As pessoas que dizem que mudaram, na verdade, continuam sentindo desejo. Um padre que é celibatário e heterossexual não deixa de ser heterossexual porque é celibatário. Um homossexual que não transa porque quer renunciar a isso pela fé é gay. Só não está em atividade".

Viula, na entrevista, passa, de um dos fomentadores do ódio aos gays quando ajudou a fundar o MOSES, a quase um ativista gay. E aproveitou para criticar o projeto de lei do deputado estadual Édino Fonseca (PSC) que prevê o custeio de tratamento psicológico para pessoas interessadas em ''virar heterossexuais''. O texto, condenado por psicólogos e psiquiatras, já passou por três comissões na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro e pode ser aprovado até o fim do mês: "O deputado Édino Fonseca é notadamente desequilibrado. Disse na Assembléia de Deus que os gays desejam fazer clonagem para criar um exército e dominar a sociedade. Há muitas pessoas desinformadas nos templos e, para elas, o gay é inimigo em potencial", diz ele.

Resta saber como Viula pretende reparar o mal que ajudou a fazer aos homossexuais durante todo este tempo.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Levítico 18,22. 20,13

Oito motivos para ter uma chuca portátil

Namoro Gay