Vaticano: em nome do padre, da morte e do extermínio, amém?

Vaticano se opõe ao pedido internacional para descriminalização de gays

Nesta terça, 2, grupos de defesa dos direitos gays criticaram a conduta do representante do Vaticano na Organização das Nações Unidas. Diante de um pedido apresentado na ONU para que a homossexualidade seja descriminalizada em todo o mundo, o arcebispo Celestino Migliore deixou clara a oposição feita pela Santa Sé.

Iniciativa da França, o pedido tem o intuito de fazer com que a homossexualidade deixe de ser vista como crime e punida com prisão, como ainda acontece em alguns países islâmicos.

Para Migliore, a decisão pode ser um passo para a união de pessoas do mesmo sexo em todos os países europeus. "Se a medida for adotada, serão criadas novas e implacáveis discriminações. Por exemplo, Estados que não reconhecem a união de pessoas do mesmo sexo como matrimônio serão ridicularizados e pressionados", acredita o arcebispo.

Segundo Franco Grillini, presidente do Arcigay (principal grupo LGBT da Itália), a resolução, que conta com o apoio de 27 países membros da União Européia, não tem nada a ver com o casamento gay. "É sobre acabar com punições como prisão e execução para homossexuais", disse.

Em editorial, o jornal italiano "La Stampa" disse que considera grotesco o raciocínio do Vaticano.

Fonte: Mix Brasil

Apenas uma nota sobre a reportagem:

Não sei quais os motivos que ainda me levam ao estranhamento de tais posturas vindas de um vaticano que é conduzido por linhas conservadoras, e que aliás, nunca conseguiu ser diferente disso que é. Não posso conformar com meu estranhamento, e pensar que seria normal estranhar! Nunca poderia, jamais poderei caso esteja sóbrio da minha própria sensatez, e não alienado por um espírito romântico ou vazio de si mesmo... Não há nada mais vazio do que o próprio Vaticano! Não posso estranhar, e esquecer que essa organização já teve um papa que apoiava o NAZISMO em detrimento dos judeus, e que se calou diante do holocausto, e que se denominava PIO XII, não posso esquecer que esse santo representante do Cristo, que era judeu, apoiava o massacre de Hitler nos bastidores da igreja em conversas secretas, que foram divulgadas por nazistas posteriormente à II guerra.

Estranhar o Vaticano apoiar o massacre da criminalização, do preconceito e do extermínio, falando em resguardar o casamento? Como posso? Uma vez que é mais fácil vê-lo apoiando a revolta, a morte e genocídio! Não é de se estranhar...

Comentários

  1. se esqueceu de mencionar que o Vaticano, além de anti-semita é anti-palestino e anti-islamico. Basta lembrar as atrocidades em relação aos primeiros contidas no Antigo Testamento ( coleção de livros que a ICAR apoia, uma vez que os utiliza frequentemente para "justificar" a homofobia) e as Cruzadas contra o "infiel, no caso dos segundos.

    ResponderExcluir
  2. Não gosto de RELIGIÕES, embora não seja ateu, entretanto quando a coisa vem da Igreja Católica me dá nojo!

    ResponderExcluir
  3. somente uma correção ao comentário feito pela Sofia: o anti-semitismo católico ocorreu quando da instituição da "Santa Inquisição" e não no Antigo Testamento. Na época do Antigo testamento não havia Cristianismo, o resto eu concordo em número, gênero e grau.

    ResponderExcluir
  4. O pior é que o governo italiano seguiu o Vaticano e lhe deu apoio, noticiaram hj os jornais.

    ResponderExcluir
  5. Engraçado, para se ocupar cargo político na Itália tem-se o mínimo de consciência filosófica exigido, pelo menos é o que demonstra o ministro Franco Frattini, um ignorante histórico, que não sabe o que diz!

    ResponderExcluir
  6. o papa atual foi da Hitlerjugend.... e venera o papa de Hitler... Pio XII...

    ah....
    Pio XII tem passado negro....
    quando era cardeal Pacelli... ele intruiu o partido católico de Centro (Zentrum) a votar a favor de 1 lei de exceção em 1933 que dava imensos poderes a Hitler... em troca... o III Reich assinou concordata com o vaticano. Pacelli participou da assinatura da concordata.
    Pacelli e o Vaticano não tomaram nenhuma atitude contra os prelados alemaes e austriacos que apoiavam Hitler. Nem se importaram com a presença de capelães na SS e Wehrmacht.
    Pio XII nao condenou o padre Jozef Tiso, ditador eslovaco (pró-nazista).Tiso massacrou judeusmciganos e opositores.
    Tampouco condenou o regime Ustasha (Croácia) liderado por Ante Pavelic. o regime era nazi-catolico e exterminou opositores, ortodoxos servios, ciganos e judeus... a crueldade Ustasha escandalizava até mesmo os nazistas! Padres participavam pessoalmente das atrocidades... promoviam conversoes forçadas,torturas e assassinatos.
    Pio XII foi alertado ... mas se omitiu criminosamente.
    Depois da guerra... varios nazis e ustashas(Mengele,Eichmann,Pavelic etc.) fugiram da Europa com ajuda do Vaticano,CIA e Cruz Vermelha (Ratlines). Os prelados Hudal*,Draganovic**,Montini***,Tisserant,Caggiano e Siri estavam envolvidos com as Ratlines.

    *austriaco, membro do NSDAP
    **croata e antigo oficial de Pavelic.
    ***ele se tornou o papa Paulo VI

    ResponderExcluir

Postar um comentário

1-Este blog aceita comentários que sejam específicos, ou em diálogo com as postagens correspondentes, conteúdo fora do contexto da mensagem correspondente poderá não ser publicado.

2- São vedados comentários com conteúdo de pregação ou proselitismos de doutrinas específicas de igrejas cristãs, ou qualquer outra religião,salvo quando estes se referirem à crítica de uma postagem principal em concordância ou discordância da mesma, devidamente fundamentados.

3-Conforme art. 5º, IV da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato.

4-Todo conteúdo dos comentários será avaliado, sendo reservado o direito de não serem publicados, os comentários, caso seus fundamentos sejam ofensivos ou desrespeitem o direito dos homossexuais.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Romanos 1,18-32

Levítico 18,22. 20,13

Oito motivos para ter uma chuca portátil

Namoro Gay

Bluetooth para pegação gay