Polícia Civil identifica suspeitos de agressão a casal gay em São Paulo


Um suspeito prestou depoimento nesta tarde; outro ainda será ouvido.
Seu advogado nega homofobia e fala em briga por paquera.


A Polícia Civil identificou nesta sexta-feira (7) os dois homens suspeitos de agredir um casal gay na madrugada de sábado (1º), na região da Avenida Paulista, em São Paulo, após saírem de um casa noturna. A informação foi confirmada ao G1 por policiais que participam da investigação e localizaram os envolvidos a partir dos nomes da lista de clientes que estavam no bar.
O depoimento de um dos rapazes acabou no início desta tarde na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), que investiga se o crime de lesão corporal foi motivado por homofobia como haviam relatado as vítimas à polícia.
Em sua defesa, o suspeito confirmou ter brigado com os homossexuais, mas negou que o confronto tenha sido motivado por homofobia. O jovem, que não teve seu nome divulgado e aparenta ter mais de 20 anos de idade, não quis falar com a reportagem do G1 ao deixar a delegacia. Ele estava acompanhado de seu pai e de um advogado e agora irá responder ao crime em liberdade. A polícia também não deverá pedir a prisão do outro suspeito, que poderá se apresentar na próxima semana para dar sua versão do que teria ocorrido.
Segundo afirmou ao G1 o advogado do suspeito, Severino Ferreira, seu cliente deu uma versão diferente para a briga do havia relatado o casal de homossexuais. De acordo com sua defesa, ele e o colega é que foram agredidos pelo analista fiscal Marcos Paulo Villa, de 32 anos, e o namorado dele, um coordenador financeiro de 30 anos, que não quis dar o nome. Villa teve escoriações na nuca. O coordenador quebrou a perna direita na confusão e está internado num hospital com traumatismo craniano.
Segundo a polícia, o ataque ao casal gay ocorreu na madrugada do sábado na esquina das ruas Bela Cintra e Fernando de Albuquerque após todos os envolvidos deixarem o Sonique Bar. Câmeras de segurança de um posto de gasolina gravaram os suspeitos das agressões e as vítimas, mas não o momento da briga.

“Meu cliente e o colega dele nem sabiam que os dois homens que quiseram brigar com eles eram gays. Só souberam pela televisão. Meu cliente tem amigos gays, portanto a tese de que a briga foi motivada por homofobia é descabida. Meu cliente tem amigos gays, trabalha e estuda e nunca passou pela polícia antes”, disse o advogado Ferreira.
Ainda segundo o defensor do suspeito, seu cliente relatou à polícia que foi com o colega ao bar e paquerou duas garotas. “Elas não deram bola para eles. Em seguida, elas beijaram esses dois que brigaram com meu cliente e o colega dele. Para não ter confusão, meu cliente e o colega foram embora, mas esses dois os seguiram até o posto e os provocaram, partindo para cima deles, que só brigaram para se defender”, disse o advogado Ferreira, que também não quis falar o nome de seu cliente e nem do colega dele.
Ao deixar a Decradi, o jovem, que vestia camiseta verde, não aparentava ter marcas de lesões pelo rosto ou braços.
De acordo com os policiais, o jovem ouvido nesta sexta confirmou que é ele quem aparece de camiseta azul clara nas imagens gravadas pelo circuito interno de câmeras de segurança da loja de conveniência do posto de combustíveis. A polícia já tem o nome e endereço do rapaz de camiseta preta que o acompanhava e teve o rosto flagrado por uma câmera. Segundo as vítimas, é o homem de camiseta escura quem quebrou a perna do coordenador. A identidade desse jovem não foi divulgada, no entanto, para não atrapalhar as investigações. Ele deverá se apresentar à Decradi na próxima semana para prestar esclarecimentos.
O advogado Ferreira também nega a informação de que seu cliente e o outro jovem tenham quebrado a perna de uma das vítimas. “Pelo que meu cliente disse, foi o próprio coordenador quem quebrou a perna sozinho ao cair da sarjeta”, disse o defensor de um dos suspeitos.
Apesar da confirmação do suspeito ouvido nesta sexta de que ele e o colega brigaram com Villa e o namorado dele, a Decradi deverá pedir ao casal para retornar à delegacia para fazer o reconhecimento dos envolvidos. Fotografias dos suspeitos serão mostradas às vítimas.
O crime
O casal gay afirma ter sido espancado por dois homens após sair do Sonique Bar, na Rua Bela Cintra, próximo à Avenida Paulista. Antes alega ter discutido com os agressores. De acordo com o boletim de ocorrência registrado no 78º Distrito Policial, nos Jardins, o motivo da desavença foi o assédio sofrido pelas amigas dos homossexuais, que não gostaram de ser paqueradas.
Ainda segundo a investigação, os agressores abordaram os gays na saída da boate e no posto de combustíveis Após os xingamentos, o coordenador levou um soco na boca, caiu e foi agredido com chutes que fraturaram sua perna direita. Villa sofreu lesões na nuca.
Gays (Foto: Reprodução/TV Globo)Em sentido horário: a vítima Marcos Villa; o suspeito
da agressão; o casal gay no posto; e o coordenador
que teve a perna quebrada (Reprodução/TV Globo)
Os agressores estavam com roupas e tatuagens de surfistas. A investigação descartou a ação de grupos organizados de intolerância contra gays, como skinheads e neonazistas.
A polícia requisitou a lista com o nome dos freqüentadores da Sonique entre a noite de sexta-feira (30) e a madrugada do sábado, período que os envolvidos estiveram no local. Todos os clientes que vão à casa noturna fornecem os nomes e telefones para receberem os cartões de consumo.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Romanos 1,18-32

Levítico 18,22. 20,13

Juiz erra em decisão liminar: clínica psicológica não é laboratório de experiências científicas