Marvel volta a publicar história com personagens gays... Wolverine está na fita!


Wolverine Hércules? Sim, a favor do beijo gay!

por João Marinho
 
Não vejo qual o problema de tantos leitores brasileiros revoltados com esse arco de história gay da Marvel, que ocorre em um universo alternativo.

Para quem não está por dentro, a editora, que já casou o também gay e mutante Estrela Polar, acaba de publicar uma história em que Wolverine, o "macho-alfa" das garras de adamantium, beija torridamente o filho de Zeus, Hércules - e, repito, em um universo alternativo, o que significa que a versão "clássica" do mutante permanece incólume.


Aliás, o autor do Lanterna Verde gay da DC Comics, concorrente da Marvel, já tinha declarado que, quando as histórias com o novo personagem (que nem é o mais famoso e também é uma versão em universo paralelo...) começaram a ser publicadas, as piores reações vieram... do Brasil!

Ora, se há mais de uma versão do mesmo herói, uma tradicional e outra homossexual, por que tanta comoção num beijo entre Wolverine e Hércules? Cada leitor escolhe a versão que lhe agradar – e gregos e troianos vivem em harmonia.

Depois, sinceramente, com personagens que morrem, renascem, mudam de uniforme, alter-ego, de origem, têm suas histórias reiniciadas e remodeladas como são os das HQs, sério que dá para dizer "o Wolverine não é personagem gay", como li?

Tem herói que até de pai e mãe muda! De planeta! Ou de lado... Não me parece que orientação sexual deva ser intocável. Ainda mais num universo alternativo...

Se um beijo gay entre um mutante e um semideus incomoda tanto, ainda mais - repito - em um universo alternativo, é porque há algo de muito podre "no reino da Dinamarca".

Creio que nem Zeus, que, apaixonado por Ganimedes, sequestrou o belo efebo para o Olimpo, ligaria tanto para o novo caso de seu filho...

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Romanos 1,18-32

Levítico 18,22. 20,13

Oito motivos para ter uma chuca portátil

Namoro Gay

Bluetooth para pegação gay