Ser um homem feminino

por João Marinho
"Salve, salve a alegria,
A pureza e a fantasia
[…]
Se Deus é menina e menino,
Sou masculino e feminino”

(Letra: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes;
Vocal: Pepeu Gomes)

image
Sempre quis entender de onde vem essa paranoia da “macheza” que encontro em tantos gays.

Entendo que as pessoas tenham seus fetiches e preferências – mas não necessariamente que sejam tão inflexíveis em seus gostos ou que julguem as demais com base neles, sem reconhecer o valor destas.

Confesso que, para mim, a “macheza” típica do homem-alfa não é um valor.

Com algumas exceções, os “machos” que conheci e foram comigo para a cama se constituíram em experiências bastante negativas, incapazes que eram de abandonar uma máscara social que permitiria a evolução dos sentimentos e muito ruins no sexo, com um número pouco tolerável de “não faço isso, não faço aquilo, não pego ali”.

Mais do que isso, eram extremamente controladores e excessivamente preocupados com a opinião alheia, com que os “outros iriam pensar”, a ponto de policiarem qualquer levantadinha de dedo mínimo na hora de tomar uma xícara de café…

Existe, porém, outro dado, esse bem mais profundo.

Essa cobrança tão pesada em cima de “ser macho” me remete bastante negativamente a minhas primeiras experiências de infância e adolescência, quando agências como igreja, família, vizinhos e amiguinhos de escola exerciam um controle tão rígido que impossibilitava qualquer manifestação dotada de algum exotismo ou delicadeza, por ser “coisa de veadinho”.

Sim, entendo que as pessoas tenham seus fetiches e preferências – mas não necessariamente como essa triste experiência dos primeiros anos de vida, que machucou tantos de nós e que certamente não foi unicamente minha, possa se desenvolver em um valor inquestionável e sexualizado na vida adulta.

Verdade seja dita, gosto de muitos e diferentes tipos de homem, e isso inclui os que têm um quê de masculino – mas não exijo que sejam “machos”, nem que a “pegação” seja “coisa de machos”, o que quer que isso signifique.

Gosto de saber que existe a possibilidade do riso, do escracho, da pinta, da sensibilidade, da brincadeira, da exteriorização do que socialmente se diz ser feminino – ainda que não seja e nunca tenha sido exclusividade das mulheres –, seja na forma de um ato sério e terno, seja na forma de uma efeminação histriônica.

Gosto, enfim, de homens flexíveis, que tenham um lado de vulnerabilidade e, segundo penso, de humano. Que não tenham medo de chorar, nem de rebolar, nem de pintar o cabelo, nem de soltar uma “pétala” em algum momento, nem de beijar, nem de demonstrar fraqueza e nem mesmo de desmunhecar vez ou outra “com as amigas” só porque tais coisas são consideradas “femininas” ou “coisa de veadinho”.

Gosto, enfim, de homens livres.

Seguros o suficiente de sua própria homossexualidade para questionarem o status quo e buscarem formas de construir diferentes masculinidades – e não dos que se seguram demasiado, forçando a si mesmos a estar em um sarcófago, para corresponderem a um único padrão que mais engessa do que traz felicidade.

Gosto, enfim, de homens que entendem e festejam que, se há “pegação” entre eles, ela pode ser tudo… Menos “coisa de machos”.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Romanos 1,18-32

Levítico 18,22. 20,13

Oito motivos para ter uma chuca portátil