O amor cristão nos EUA expulsa jovens de casa por serem gays



Cacciati dai genitori migliaia di gay diventano homeless



Negli Stati Uniti, il 40% dei 500mila giovani senzatetto è omosessuale
. Un dato tanto più sorprendente se si tiene conto che appena il 5% dei giovanissimi d’Oltreoceano si dichiara LGBT (Lesbica, gay, bisessuale o transgender).

Si tratta perlopiù di ragazzi cacciati di casa dai genitori a causa della loro inclinazione sessuale. Finiscono per le strade dopo che le loro famiglie, in primis per motivi religiosi, li hanno sbattuti fuori per l’unica ragione di essere gay. Mississipi, West Virginia, Kentucky sono alcuni degli stati dove questi fenomeni sono più marcati.

La cura e la tutela di questa gioventù abbandonata, minacciata, messa a rischio quotidianamente nelle principali metropoli è l’obiettivo di una nuova campagna partita da New York. Che chiede al governo federale di fornire a tutti i senza casa under-24 l’accesso ad un rifugio sicuro, nonché uno sforzo più accurato per accertare il numero di coloro che vivono per strada al fine di preventivare quanti posti letto saranno necessari nei prossimi anni.

The Ali Forney Center è una delle associazioni capofila della mobilitazione che da anni aiuta i giovanissimi homeless americani a diventare indipendenti. Lo scorso mese di aprile, l’organizzazione ha pubblicato una lettera aperta sul New York Times nella quale si rivolgeva direttamente a Papa Francesco – capo della “più grande e influente organizzazione cristiana nel mondo” – chiedendo un cambiamento di approccio all’interno della Chiesa cattolica americana circa la sensibilizzazione e l’accoglienza verso questi ragazzi.

In quella stessa missiva, il collettivo LGBT metteva in luce storie di chi aveva trovato rifugio presso le loro strutture dopo essere stati rinnegati dai genitori. Ricordando che le loro vite sono state “devastate e rese indigenti dal rifiuto religioso.
Caçados pelos pais, milhares de gays se tornaram sem-tetos

Nos EUA, 40% dos 500 mil jovens sem-teto são homossexuais. Um dado ainda mais surpreendente se levarmos em conta que apenas 5% dos jovens no exterior  se declaram LGBT ( lésbicas, gays, bissexuais ou transgêneros).

Eles são na sua maioria rapazes perseguidos por seus  pais por causa de sua orientação sexual. Eles acabam nas ruas por conta de suas famílias, principalmente por motivos religiosos, jogando-os  para fora pela única razão de serem gays. Mississippi, Virgínia Ocidental, Kentucky são alguns dos estados onde esses fenômenos são mais pronunciados.

O cuidado e a proteção dessa juventude abandonada, ameaçada, em perigo diariamente nas grandes cidades são os alvos de uma nova campanha de Nova York: Pedir ao governo federal para fornecer a todos desabrigados acesso, aos menores de 24 anos,  um lugar seguro, bem como um esforço para determinar com mais precisão o número de pessoas que vivem nas ruas , a fim de estimar quantos leitos serão necessários nos próximos anos .

The Ali Forney Center é uma das associações que levam à mobilização de anos ajudando desabrigados jovens americanos a se tornarem independentes. Em abril deste ano, a organização publicou uma carta aberta no New York Times em que se dirigiu diretamente ao Papa Francesco - Chefe da " maior e mais influente organização cristã no mundo" - pedindo uma mudança de abordagem no seio da Igreja americana católica sobre a consciência e aceitação em relação a esses jovens.

Na mesma carta, colocaram à luz as histórias daqueles que tinham procurado refúgio em suas instalações depois de terem sido rejeitados por seus pais. Lembrando que as suas vidas foram " devastadas e  destituídas pela rejeição da religião. "

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Levítico 18,22. 20,13

Oito motivos para ter uma chuca portátil

Namoro Gay