MAIS UMA VITÓRIA

Mais uma da justiça em favor das relações gays. O juiz Wanderley Salgado de Paiva, da 30ª Vara Cível de Belo Horizonte (MG) concedeu a um gay o direito de receber, de uma instituição de previdência, a pensão por morte do seu companheiro. Determinou, também, que seja feito o pagamento do débito em atraso, retroativo à data do óbito. Poucos dias atrás, postei aqui uma outra decisão em favor de uma enfermeira aposentada que foi casada com uma servidora pública estadual e que ganhou na justiça o direito a uma pensão a ser paga pelo Ipsemg, o instituto previdenciário de Minas Gerais.

"O indivíduo, na sua condição homossexual, tem o direito constitucional de não ser discriminado, tendo no ordenamento jurídico o livre acesso à justiça para garantir direito seu de natureza fundamental. Assim, o princípio da não-discriminação, arrimo da igualdade entre os cidadãos, deve ser resguardado para que nunca perca sua efetividade" disse o juiz em sua decisão.


Na ação, o rapaz declarou que tinha uma união estável, reconhecida e registrada em cartório (olha aí para que servem as uniões registradas em cartórios, ou, os “casamentos” sérios e não esses shows de baixarias em programas de TV). Quando seu companheiro faleceu, ele requereu a pensão junto ao INSS e à instituição. O órgão público (INSS) acatou o pedido, mas a instituição financeira não. Requereu, então, em juízo, o recebimento da pensão e o pagamento dos valores atrasados.


Alegando "falta de amparo regular previsto em seu estatuto", a instituição negou-se a pagar o benefício. Declarou que as normas do plano de previdência são taxativas, não cabendo interpretação extensiva. "Somente é reconhecido o direito ao companheiro que assim for definido segundo a legislação vigente, e a legislação brasileira não reconhece a união entre pessoas do mesmo sexo", completou.


O juiz frisou que a legislação vigente regula a família do início do século passado, declarando a proteção do Estado à união estável entre o homem e a mulher, mas não pretendeu excluir a união homoafetiva. Para ele "a lacuna existente na legislação não pode servir como obstáculo para o reconhecimento de um direito". No seu entendimento, se a legislação evoluiu ao tempo e modo da sociedade, não pode o anacronismo servir de escusa para a injustiça. "É dever do julgador se pautar pela obediência à lei, mas sem prejuízo daquele a quem esta se destina: o indivíduo", salientou o juiz. Para ele, uma vez reconhecida a união estável homoafetiva, a dependência entre os companheiros e o caráter de entidade familiar à relação, "seria hipocrisia não admitir o relacionamento homossexual para efeitos previdenciários, sendo que a sociedade não mais tolera tal discriminação", completou o juiz no despacho de sua decisão que ainda está sujeita a recurso.


Que o negrito dessa informação seja muito bem lembrado por todos.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Levítico 18,22. 20,13

Oito motivos para ter uma chuca portátil

Namoro Gay