Igreja se diz "humilhada" com casos de pedofilia em Alagoas

fotodacuria

Foto: Curia Diocesana de Penedo

 

A Diocese de Penedo afirmou que a Igreja Católica se sente triste e humilhada com as recentes acusações de pedofilia envolvendo monsenhores e padres em Arapiraca (AL). A Igreja informou que todas as medidas previstas pelo direto canônico foram tomadas “energicamente” contra os acusados no escândalo.

Nesta terça-feira (6) à noite, a Diocese emitiu nota onde expressou solidariedade às vítimas do "fato aberrante" e comunicou a "suspensão total das ordens sagradas" do monsenhor Luiz Marques Barbosa, 82, flagrado em um vídeo praticando sexo com um jovem supostamente de 18 anos. Outros dois padres e um monsenhor foram afastados preventivamente apenas das celebrações e respondem a processos canônicos.

"Entristece-nos e humilha-nos pensar na situação dramática das possíveis vítimas e da Igreja escarnecida e vilipendiada a causa do comportamento imoral de quem deveria ser mestre de fé e de conduta ilibada", diz o texto, assinado pelo bispo Dom Valério Breda.

Para a Igreja, o escândalo circulou pelo "mundo inteiro" e "expôs à pública execração o pecado revoltante, que clama por justiça e por inadiável e radical purificação e conversão".

Pela primeira vez, a Igreja admitiu uma possível reparação em caso de comprovação de pedofilia e ofereceu apoio às vítimas. “Sentimos ainda mais dilacerante e urgente o apelo por justiça e por reparação, caso seja confirmada a acusação de abuso ou constrangimento sexual contra menores pelos padres citados. Se há jovens vítimas, a Igreja se posiciona incondicionalmente ao lado deles”, afirmou.

A Igreja ainda garantiu que vai ajudar a Polícia Civil e o Ministério Público nas investigações de casos de pedofilia envolvendo autoridades religiosas. "Reiteramos o nosso irrestrito compromisso em contribuir eficazmente e favorecer o inquérito policial, instaurado para averiguar a veracidade das denúncias formuladas pelas supostas vítimas, ao tempo em que nos colocamos a total dispor das autoridades de polícia e da justiça para tudo o que se fizer necessário".

Dom Valério ainda respondeu às críticas do senador Magno Malta (PR-ES), presidente da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Pedofilia, de que a Diocese teria sido informada das denúncias de abuso sexual e não teria informado às autoridades e apenas “afastado os padres de paróquia para que eles continuassem abusando em outro lugar”.

“Cabe o esclarecimento de que somente com a veiculação do programa televisivo ‘Conexão Repórter’, da Emissora SBT, em 11 de março de 2010, apresentando denúncias e identificando os envolvidos, foi que a Diocese tomou conhecimento daqueles fatos”, assegurou o bispo, que afastou os acusados dois dias após a divulgação da reportagem.

CPI

Também nesta terça-feira, a CPI da Pedofilia definiu as datas e os 17 nomes das pessoas que vão depor na cidade de Arapiraca entre os dias 16 e 18 abril.

Os padres acusados, as duas delegadas que investigam o caso e 12 testemunhas e possíveis vítimas (entre elas três menores de 18 anos) serão ouvidos pelos senadores integrantes da CPI.

Fonte UOL

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Romanos 1,18-32

Levítico 18,22. 20,13

Oito motivos para ter uma chuca portátil

Namoro Gay