TALIBANS DE BÍBLIA EM PUNHO

WED0047

Há religiosos subjetivistas, corporativistas, tendenciosos e comprometidos com suas instituições e momento histórico. Neles o respeito à Bíblia inexiste ao pronunciarem-se contra as minorias sexuais. Falseiam até o uso do termo homossexual/ismo, este criado por Karoly Benkert em 1869 e evoluído para homossexualidade. É bem apropriado na ciência e denota instinto inato afetivo de alguns a outrem do mesmo sexo, tendo nessa orientação a dimensionalidade de si no que tange a sentimento, sexualidade e erotismo. Tal expressão sexo-afetiva é involuntária e constitutiva, ou seja, é do foro íntimo e estrutura pessoal. Com isso afirmamos: na Bíblia não há texto que possa ser traduzido para homossexual sem que haja um erro grotesco e desrespeito à obra sacra e literária que é.

“Não se deite com um homem (...) é abominação” Lv 18:22 usam. Ora, o hebraico toevah traduzido para “abominação” significa “impureza ritual”. Para os hebreus inexistiam conceitos de bom/mau, pecado ou não, e sim pureza e impureza. Outro texto no AT narra que os mesmos, pastores, eram abomináveis aos egípcios, daí se vê que toevah designa Tabu. Saído da fonte sacerdotal, tal texto traça limites claros entre o culto de Yahveh e o dos cananeus com sua hierodulia e culto à fertilidade; aí subjaz um ataque à idolatria. A coesão social israelita importava muito e tais leis religiosas eram deveres civis e nacionais, com vários tabus supersticiosos e proibições atualmente irracionais. Tais leis e códigos de vida social foram dadas por Deus a eles e é incoerente cristãos se obrigarem a elas.

Há os que querem justificar preconceito discriminatório no NT (que não reafirma leis mosaicas) em Rm 1:18-26. Ora, ali Paulo menciona práticas greco-romanas e em sua visão são consequências de idolatria, “trocaram a glória (...) por imagens” no 22 e no 25 “eles trocaram (...) e serviram à criatura”... "e por isso Deus os entregou..." Não é sensato ou lógico crermos hoje que sexo entre iguais tenha sua causa em idolatria ou culto a deuses pagãos como ele cria. Ali fala “para physin” contra a natureza, e ele não tem em mente uma postura cientificista biológica, e sim o que se espera como papel de gêneros ou postura. Melhor tradução seria “incomum”, que não denota erro. Usam I Co 6:9,10, que contêm a aberração na tradução e erro medieval arsenokoitai para sodomita, o profeta relata que a causa da destruição de Sodoma é o egoísmo/orgulho exacerbados num problema social (Ez 16:49).

A Bíblia de Jerusalém, melhor tradução, diz: “ ...nem as pessoas de costumes infames (...) herdarão o Reino de Deus”. O sexo vira perversão, com homem ou mulher, no desrespeito a si mesmo havendo perda de autodeterminação, tais costumes são pecado ao refletirem o mesmo erro das outras recriminações catalogadas, implicando mau uso da liberdade ou libertinagem. Paulo, reticente fariseu conservador, reprovava os excessos da instituição social da pederastia, rito de passagem (totemização ou iniciação à vida adulta) dos gregos. Para ele, o futuro e iminente reino messiânico terrestre os prescindiria.

A Bíblia não apoia a homossexualidade, dizem, mas também não apoia a mulher emancipada, igualdade jurídica, abolição da escravatura, democracia e o casamento monogâmico. Deste último, apesar do mito de Adão e Eva, no AT legitima-se a poligamia e o concubinato para comuns e reis, e no NT, platônico e encratista (averso ao sexo), o casamento e qualquer ato sexual são desaconselhados. Celibatários ou virgens, ali temos João Batista, Paulo, Jesus Cristo e os santos do Apocalipse que “não conheceram mulheres”. Jesus conversando sobre casamento alude os eunucos que não inseriam-se nele. Se a monogamia teve fases históricas, de motivações burguesas de manter sangue azul a patrimoniais, e evoluiu, não o foi por uma motivação ou exemplo expresso no NT, certamente.

O homossexual, sujeito histórico recente, não está num livro concluído há 2.000 anos que não é um compêndio científico e menos um código de regras atual, mas relata modos de fé de um povo que ajuda-nos na relação com Deus. Hoje há a democracia com direitos humanos onde temos liberdades de ir e vir, de expressão e de sentimento e de busca da felicidade, onde cada um no exercício do livre-arbítrio e livre consciência sabe onde melhor buscar. Na História a Bíblia foi muito usada para o mal, vide Cruzadas, Inquisição, misoginia, Nazismo, escravidão, Apartheid e segregação racial nos EUA, ideologias nefastas, que, por uma falsa justificativa de manter-se a ordem social, degredavam e deformavam a Humanidade.

O termo homofobia foi criado em 1972 por George Weinberg , agravo igual ao racismo, tem seus opositores, os talibãs e “donos da verdade”, que abusam da Bíblia para humilhar e envergonhar tais que ofendem e minimizam o próximo em sua dignidade e aos seus próprios olhos não têm a vênia de Deus, nem no fim em si do livro e nem de leis de liberdade de expressão, pois o Estado assegura o equilíbrio e direitos iguais a todos, e aos homossexuais, categoria vulnerável, o direito à honra e à vida, principal e indubitavelmente, e, lembremo-nos, o maior ser humano na História, Jesus, foi morto por fanáticos de Bíblia em mãos, que nela acharam justificativa para crucificá-lo.

O autor, Victor R. S. Orellana, é professor, teólogo, bacharel em teologia pelo Instituto Betel e com pós-graduação “Latu-Sensu” pelo CLAP - São Paulo-SP, fundador da Igreja Acalanto e conferencista nacional sobre o tema “Homossexualidade e Religião”

Victor R. S. Orellana

Comentários

  1. Nossa, adorei esse texto! Muito esclarecedor.
    Eu, mesmo quando era uma pessoa religiosa nunca concordei que o homossexualismo fosse algo errado pois se a pessoa não escolhe ser, como pode ser pecado? Nunca concordei com as religiões, na maioria delas nós temos que abrir mão de quase tudo que é inerente a natureza humana para servir a Deus. Nesse ponto de vista Deus sempre me pareceu uma criatura perversa que criou criaturas falhas, jogou-as em um mundo cheio de tentações deliciosas e ameaça jogar-nos num sofrimente eterno caso não façamos tudo que ele quer. Isso nunca fez sentido para mim. Larguei a igreja que frequentava desde a infância e não pretendo fazer parte de nenhuma outra. Hoje me considero agnóstica: não posso dizer que acredito ou não em Deus, só que não consigo (e provavelmente nunca consiguirei) entendê-lo. A fé é um dom (ou uma maldição, depende muito) e eu não fui agraciada com ela. Mas não sou intolerante, muito pelo contrário. respeito a todos e tento entender (o que não é tão difícil para mim pois já estive do outro lado), apesar de quase nunca ser entendida. Todos tem direito a buscar consolo, felicidade e sentido de viver numa religião. Elas são falhas, mas necessárias a muitos. Hoje não é mais aceitável que os homossexuais sejam tratados como escória da sociedade pelas igrejas. Já passou da hora das pessoas perceberem que a bíblia NÃO é um código de conduta, que ela NÃO se aplica aos dias de hoje e não passa de um documento histórico... Como foi dito no texto, se fossemos tomar a bíblia como verdade absoluta as mulheres ainda seriam totalmente submissas, os casamentos ainda seriam poligâmicos... Se alguns (muitos) costumes foram deixados para trás porque insistir com outros tão absurdos quanto os outros? Como a proibição do homosexualismo e a iniciação da vida sexual antes do casamento...
    Gostaria de pedir para postar esse texto em meu blog. Você me permite?
    abraços...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

1-Este blog aceita comentários que sejam específicos, ou em diálogo com as postagens correspondentes, conteúdo fora do contexto da mensagem correspondente poderá não ser publicado.

2- São vedados comentários com conteúdo de pregação ou proselitismos de doutrinas específicas de igrejas cristãs, ou qualquer outra religião,salvo quando estes se referirem à crítica de uma postagem principal em concordância ou discordância da mesma, devidamente fundamentados.

3-Conforme art. 5º, IV da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato.

4-Todo conteúdo dos comentários será avaliado, sendo reservado o direito de não serem publicados, os comentários, caso seus fundamentos sejam ofensivos ou desrespeitem o direito dos homossexuais.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Levítico 18,22. 20,13

Oito motivos para ter uma chuca portátil

Namoro Gay