VEJA O QUE ROLA POR AQUI!

Nossos destaques:

VEJA O QUE ROLA POR AQUI! VEJA O QUE ROLA POR AQUI!

SER FORA DO MEIO

a nossa comunidade não difere muito do pensamento religioso e seu modus operandi...

SER FORA DO MEIO SER FORA DO MEIO

D DESEJO TRAVESTI DE ADÃO

Adão e Ivo: uma variente possível

O DESEJO TRAVESTI DE ADÃO O DESEJO TRAVESTI DE ADÃO

DAR A BUNDA

Se dar a bunda... Já era!

Se dar a bunda...Já era! Se dar a bunda...Já era!

Ainda falando sobre promiscuidade

Ainda falando sobre promiscuidade Ainda falando sobre promiscuidade

A culpa é da promiscuidade: um erro conceitual

os gays são promíscuos e quem não ?

 A culpa é da promiscuidade: um erro conceitual
 A culpa é da promiscuidade: um erro conceitual

Carpe Anum // Carpe Culum

Carpe o quê?

Carpe Anum // Carpe Culum Carpe Anum // Carpe Culum

Sessão Pipoca: The Trip

FILME

Sessão Pipoca: The Trip Sessão Pipoca: The Trip

Justiça de BH autoriza casamento homossexual

Carlos Eduardo e Jorge irão formalizar união em abril próximo...

Justiça de BH autoriza casamento homossexual Justiça de BH autoriza casamento homossexual

A culpa é dos gays?

Site atribui responsabilidade aos gays por mulheres estarem solteiras em Campo Grande...

A culpa é dos gays? A culpa é dos gays?

Querem desprestigiar os gays!

O Vaticano lançou uma crítica sobre a matéria publicada nos meios de comunicação...

Querem desprestigiar os gays! Querem desprestigiar os gays!

Uma defesa para Silas Malafáia.

mas não há outra coisa a se fazer aqui, nesse momento, depois de ler em alguns blogs evangélicos

Uma defesa para Silas Malafáia. Uma defesa para Silas Malafáia.

Sessão Pipoca: Mambo Italiano

FILME

Sessão Pipoca: Mambo Italiano Sessão Pipoca: Mambo Italiano

Banho Turco/ Hamam -- Il Bagno Turco- Sessão Pipoca

Esse filme eu descobri por conta do meu professor de italiano, que constantemente...

Banho Turco/ Hamam -- Il Bagno Turco- Sessão Pipoca Banho Turco/ Hamam -- Il Bagno Turco- Sessão Pipoca

terça-feira, março 01, 2011

Parada do Orgulho Gay com tema cristão?



Li atentamente o artigo do Daniel Sottomaior à Capa online, e tive um sentimento de estranheza ao estranhamento que o levou a escrever o artigo.

Daniel questiona o tema: “amai-vos uns aos outros”, e dispara que tal recomendação não deveria ser dada, afinal, amar dezenas de pessoas já parece tarefa além das possibilidades humanas, milhões de pessoas é conto de fadas que não deveria ter menção em uma organização social como tema. Prossegue no artigo concluindo que o amor faz parte do ideal religioso, e que os organizadores da Parada se confundem, pois não é ideal republicano, uma por ser inalcançável e outra pelas organizações sociais deverem se preocupar com o tratamento legal, respeitoso e digno, que são metas possíveis ao alcance do Estado.

Uma crítica sem dúvidas, mas que epistemologicamente não se justifica. Afinal, o autor lança suas concepções ao amor de forma mística, e tão somente, como se esse dado amor fosse uma apropriação precípua e causal da religião sem voz ou ressonância nas ciências, por exemplo, como um dado. Sem uma percepção filosófica, antropológica e até mesmo histórica. Aliás, quem falou com sentimento religioso foi o próprio Daniel, que em nome de laicismo camuflou sua crítica com altos requintes religiosos e apologéticos, basta ver a desconsideração do verbete, por parte do engenheiro, dentro das questões humanas como apropriação do saber humano- enquanto cognição- e do comportamento humano, enquanto fenômeno. Aliás, é nesse viés que a psicologia trabalha à questão do amor: fenômeno cognitivo e social. Então aquela velha pergunta: “o amor se aprende?” É relevante, e sua resposta é positiva, pois o homem é ser social e o amor faz parte da cultura.

Ainda, em aspectos psicológicos o amor não é somente um sentimento avassalador ou altruísta, ele se reparte na condição humana, movimenta o princípio do prazer e se estabelece no ideal do ego. Suas facetas podem ter definições românticas, possessivas, cooperativas, pragmáticas, lúdicas, altruístas. E envolvem as questões neurológicas dos indivíduos: sentimentos amorosos podem levar à inibição da atividade de várias áreas do cérebro ligadas à capacidade e ao pensamento crítico, suprimindo a atividade neurológica relacionada com a avaliação social crítica dos outros, e também as emoções negativas. Este fato acaba, curiosamente, por fazer jus ao ditado popular que afirma que "o amor é cego." De fato, este estado leva a uma alteração capacidade cognitiva.


Assim, quando Sottomaior diz que o amor não é ideal republicano, por não poder ser alcançado, ele se equivoca em muito, pois àquilo que ele classifica como ao alcance do Estado: tratamento legal, respeitoso e digno, que diz do princípio da urbanidade, é uma faceta do amor, que se classifica como cooperativo e pragmático. Amar é ter sentido de pertença, e desde que o indivíduo se perceba pertencendo a algo ou a alguma coisa, ele é capaz de se dedicar com afeição a isso que o envolve. Dessa maneira, o amor não apenas deve ser ensinado, mas recomendado, incentivado entre a população.


Obviamente que a crítica se estabelece dentro do pressuposto de um ateu estar desconfortável com a conversão da Parada do Orgulho Gay em Marcha gay para Jesus! Afinal, essa foi a inferência quando disse: “Se uma fração apreciável da sociedade percebe o slogan como tendo identidade cristã, então, com ou sem a aprovação de historiadores, sociólogos, antropólogos e bem-letrados, e independentemente das melhores intenções dos organizadores da Parada, é a identidade cristã que se estará promovendo”. Mas, o que a religião conservadora e fundamentalista faz com os gays é cruel, pois retira dos mesmos sua capacidade de crença, seus sentimentos de pertença, sua capacidade de se auto-perceberem integralizados no todo, naquilo que é comum e simples, básico inclusive, uma vez que, a experiência religiosa está entranhada na realidade psíquica do inconsciente e à maneira da estrutura dos processos deste inconsciente.

Portanto, quando um apelo se faz ao amor, e ainda que, concordando, esse amor possa ser entendido, representado, significado dentro de um caráter religioso, ele faz menção à participação gay, da vida gay, do cotidiano gay, em todo corpo e estrutura social, inclusive na religiosa, pois um Estado laico, não é um Estado sem religião, ou contrário a ela, tão somente, é um espaço plural, diverso e sem confessionalidade estatal, mas com diversas religiões e credos e segmentos convivendo no espaço comum. Então, se a Parada Gay levanta um emblema religioso em sua manifestação é legitimo, pois os homossexuais também têm direito a uma fé, a uma religião, a um credo, pois isso é um Direito fundamental de qualquer cidadão.

Não é exigir com o tema o amor, que alguém passe a legislar sobre a afetividade, embora, o Direito já vem fazendo isso em relação ao ramo da família, aonde um pai ou mãe que abandona seu filho ou filha e não dá carinho pode ser processado pelo abandono afetivo. Quantos gays são escorraçados de suas famílias cristãs e abandonados afetivamente pela homofobia? Por que não cobrar o amor?

Afinal, é através do autoconhecimento que o ser humano consegue o centramento na vida, o equilíbrio e o desenvolvimento. Autoconhecimento é pressuposto para o amor e, o amor, pressuposto para autoestima, pois somente se conhecendo, o indivíduo é capaz de se valorizar, mas quando esse amor é negado, subtraído da própria condição psíquica do ser, então não temos uma sociedade plena, pois seus indivíduos não conhecem suas próprias condições e a autoestima dos mesmos é baixa. Não exigem direitos, não cumprem deveres, não se conhecem mutuamente, não são capazes de estabelecer princípios de urbanidade e nem de coletividade. Enfim, a questão do amor levantada como bandeira não é uma discrepância mística irracional, pelo contrário, ela tem pressupostos de validade racionais e fenomenológicos. Diferente da crítica cega levantada em oposição.

Agora, na parte do texto que diz: “A questão de fundo que a APOGLBT e outras associações precisam trazer à sociedade é que argumentos religiosos, sejam bons, maus ou péssimos, não podem jamais servir de base para orientar a sociedade inteira pela mão forçosa do Estado”. Estou de acordo.

Clique aqui para ler o artigo de Daniel Sottomaior publicado originalmente no site A CAPA
Continue lendo ►


    Em 2008, a iniciativa Brasil para Todos, que luta pela remoção de símbolos religiosos de repartições públicas, aliou-se à APOGLBT na promoção do tema daquele ano, que incluía o slogan "por um Estado laico de fato". Desde então, venho acompanhando outras iniciativas da comunidade LGBT, cujas organizações têm se firmado entre as vozes mais ativas na promoção da laicidade do Estado no cenário nacional.

    Por isso causou estranheza o tema da Parada deste ano, que pede o fim da homofobia com a frase "amai-vos uns aos outros". Em artigo à Capa, Dario Neto aponta muito corretamente que essa escolha não viola a laicidade do Estado (pelo simples fato de que a APOGLBT não faz parte do Estado), e que a mensagem da Parada não é exclusivamente cristã. Quem afirmou em contrário equivocou-se. Mas entendo que há outras críticas importantes ao tema da Parada.

    Para começar: alguém acha realmente que amor é coisa passível de recomendação? Por mais bem intencionado que seja o conselho, em alguma época ou lugar ele surtiu algum efeito? Ainda que a resposta fosse afirmativa, vamos agora legislar sobre os sentimentos? "Amai-vos uns aos outros" talvez faça efeito entre anjos e outros seres diáfanos e celestiais, mas aqui entre os mortais, parece apenas mostrar desconhecimento da natureza humana. Amar dezenas de pessoas já parece uma tarefa além das possibilidades humanas; amar milhões de desconhecidos é uma ideia de conto de fadas que não deveria ter lugar no chamado de uma importante organização social.

    Amar a todos pode até ser um ideal cristão ou religioso, mas não é um ideal republicano. Esse é talvez o cerne da confusão da Parada. Buscar amor é um objetivo não apenas inalcançável, mas que nada tem a ver com o papel da APOGLBT, ou de qualquer outro grupo de defesa de direitos humanos. Essas instituições existem para exigir o reconhecimento de direitos e o cumprimento de deveres. O tratamento legal, respeitoso e digno, este sim é uma meta possível, ao alcance do Estado e das demais instituições sociais. É nele que devemos nos concentrar. A comunidade LGBT não precisa da acusação extra de exigir até o amor dos seus detratores.

    Quanto à questão histórica, é verdade que o slogan da Parada não é criação nem propriedade exclusiva do cristianismo, mas análises da história comparada das religiões, por mais elogios que possam merecer, são absolutamente irrelevantes. A Parada é um evento de visibilidade mundial que, como tantas outras ações do terceiro setor, tem um notório papel de "relações públicas" do movimento LGBT. Quando o público recebe a frase "amai-vos uns aos outros", não há dúvida que essa mensagem tem o nome, endereço, gosto e sabor de cristianismo.

    É preciso lembrar que, quando se trata de comunicação, percepção é realidade. Se uma fração apreciável da sociedade percebe o slogan como tendo identidade cristã, então, com ou sem a aprovação de historiadores, sociólogos, antropólogos e bem-letrados, e independentemente das melhores intenções dos organizadores da Parada, é a identidade cristã que se estará promovendo.

    A cruz, por exemplo é um símbolo presente em muitas tradições e possui diversos significados, mas aqui no ocidente a visão desse símbolo evoca o cristianismo de maneira automática em praticamente todas as pessoas. Poucos terão o conhecimento ou o descondicionamento para associá-la a qualquer outra coisa.

    Da mesma maneira, se pedirmos para algumas dezenas de pessoas completarem a frase "amai-vos uns aos outros", alguém tem dúvidas de que a grande maioria prosseguirá com "assim como eu vos amei", remetendo diretamente ao núcleo da doutrina cristã em uma frase atribuída ao seu principal personagem? Em suma, a correta análise da criação e uso de frases e símbolos em nada altera sua mensagem predominante. E no caso da frase escolhida pela Parada, esse predomínio é esmagador no sentido de remeter a um conteúdo eminentemente religioso.

    Ainda que "amai-vos uns aos outros" fosse um princípio religioso universal (o que não é; Neto aponta exemplos em outras religiões do "tratai aos outros como deseja ser tratado", o que é muito diferente do amor universal recíproco), de que maneira isso contemplaria as pessoas que não seguem tradições religiosas? Aqui não posso deixar de fazer uma crítica forte à posição do diácono. Seu texto se intitula "Amor ao próximo: princípio cristão ou humano?", deixando entrever que seu universo de humanos se restringe às pessoas com religião, já que ele iguala a alegada universalidade religiosa do "amai-vos uns aos outros" à universalidade humana.

    Caro diácono: as pessoas sem religião também existem, e, pasme, também são humanas! Ainda que se conseguisse provar que uma ideia está presente em todas as tradições religiosas, o que está longe de ser feito, isso nada nos diria sobre a totalidade dos seres humanos. Lamentavelmente, assim como acontece com os homossexuais, as pessoas sem religião e em particular os ateus também são vítimas invisibilidade e até da atitude de negação de nossa existência por parte dos religiosos, apesar de representarmos cerca de 10% da população mundial, e 8% no Brasil. E isso nos leva a outra crítica importante à frase escolhida para a Parada deste ano.

    Concordo que existe um certo "sabor de vitória" em tentar vencer nossos detratores com as mesmas armas que usam para nos atacar - o que parece uma leitura inevitável do slogan da Parada. Se usam a religião e o cristianismo para justificar a homofobia, a lógica é usar a religião e o cristianismo para atacar a homofobia. Querendo ou não, o que o slogan faz é apontar o que seria uma contradição no comportamento homofóbico de raiz religiosa. No plano do debate puro, isso funciona com perfeição. No mundo real, só complica as coisas.

    Que fique bem claro: não tenho absolutamente nada contra fazer críticas bem informadas à religião. As ideias religiosas influem em nosso trabalho, nosso lazer, nossos relacionamentos amorosos, nossos ideais, em como gastamos nosso dinheiro, como vemos o universo. Se existem problemas com a religião, eles devem ser denunciados sem meias-palavras.

    Mas é fato notório que os fieis, assim como os apaixonados, são quase sempre imunes à razão. Por isso, quando se trata de religião, mesmo os melhores argumentos não convencerão ninguém a mudar suas interpretações teológicas, assim como não convencerão ninguém a se apaixonar ou se desapaixonar.

    Como em todo bom jogo de xadrez, é preciso prever o próximo movimento do adversário. Quando uma entidade LGBT faz uma crítica religiosa, o que acontecerá é que os religiosos homofóbicos, mui felizes e contentes, correrão para suas bíblias para dizer por que o argumento do "amai-vos uns aos outros" não se aplica ao caso - por exemplo, lançando o velho golpe do "mas nós amamos os pecadores, só detestamos o pecado". E assim, em uma única linha, o preconceituoso não apenas se justifica como consegue a suprema vitória de arrastar uma associação civil e supostamente neutra em termos religiosos para as turvas águas da teologia e da exegese bíblica. A derrota é dupla.

    O lema deste ano da Parada realmente não viola o Estado laico, mas fere o pressuposto de que as políticas públicas de Estados laicos devem se basear e princípios racionais abertos ao exame público e ao debate. Quando surge o debate do papel da comunidade LGBT na sociedade, queremos instar os cidadãos a buscar a Constituição e a Declaração Universal dos Direitos do Homem para sustentar seus argumentos, não a abrirem suas bíblias em busca dos versículos mais apropriados!

    A questão de fundo que a APOGLBT e outras associações precisam trazer à sociedade é que argumentos religiosos, sejam bons, maus ou péssimos, não podem jamais servir de base para orientar a sociedade inteira pela mão forçosa do Estado. Ainda que se conseguisse fechar questão em uma agenda de princípios religiosos "positivos", coincidentes com os direitos e a dignidade de todos os humanos (até os ateus), isso validaria os demais princípios religiosos por tabela, e uma rápida olhada na história, na teoria e na prática da fé deixa claro que o já foi (e é feito) em nome de princípios religiosos. Sairíamos da panela para cair no fogo.

    * Daniel Sottomaior é engenheiro, criador da iniciativa Brasil para Todos (www.brasilparatodos.org) e presidente da Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (www.atea.org.br).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1-Este blog aceita comentários que sejam específicos, ou em diálogo com as postagens correspondentes, conteúdo fora do contexto da mensagem correspondente poderá não ser publicado.

2- São vedados comentários com conteúdo de pregação ou proselitismos de doutrinas específicas de igrejas cristãs, ou qualquer outra religião,salvo quando estes se referirem à crítica de uma postagem principal em concordância ou discordância da mesma, devidamente fundamentados.

3-Conforme art. 5º, IV da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato.

4-Todo conteúdo dos comentários será avaliado, sendo reservado o direito de não serem publicados, os comentários, caso seus fundamentos sejam ofensivos ou desrespeitem o direito dos homossexuais.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...