Abordagem homossexual de peças divide opiniões

Teatro.Temática homoerótica da Campanha de Popularização é analisada em pesquisa


JULIA GUIMARÃES                                                                      Publicado no Jornal OTEMPO em 14/01/2012

Comédia. Espetáculo "O Nome dela É Valdemar" foi analisado na pesquisa "O Riso e a (in)Visibilidade" do grupo Gudds


Entre as comédias em cartaz na Campanha de Popularização do Teatro e da Dança, um elemento é recorrente: muitos são os espetáculos a abordarem o riso a partir da representação do homossexual. Os contornos dessa representação, porém, costumam gerar opiniões e análises distintas. 

Se, por um lado, há quem veja a construção de uma identidade estereotipada e limitadora do gay nas montagens, por outro existe também a defesa de que tal visibilidade ajudaria a reduzir preconceitos.

Recentemente, o assunto foi tema de uma pesquisa realizada pelo Grupo Universitário em Defesa da Diversidade Sexual (Gudds), intitulada "O Riso e a (in)Visibilidade", que analisou a temática homoerótica nos espetáculos da 36ª Campanha, realizada em 2009. A pesquisa selecionou peças cuja sinopse evidenciasse a abordagem do tema, somando 11 espetáculos.

A primeira constatação foi de que apenas uma das montagens não estava circunscrita no campo da comédia. O riso foi então um dos princípios da análise, identificado como elemento regulador do convívio social. "Usamos a definição do riso de Bergson, como algo que reprime as excentricidades. Mas não realizamos uma pesquisa de recepção para entender do que exatamente as pessoas riem. Também percebemos que, nas encenações, o importante era a performance do ator pautada pelo estereótipo, mais do que a trama", diz Igor Leal, ator e integrante da pesquisa.

O estudo também constatou que as peças utilizam referências disseminadas socialmente. "Elas constroem a homossexualidade com os mesmos parâmetros do senso comum, por isso funcionam tanto", diz Leal.

Para Luiz Fernando Duarte, que produz duas peças de temática gay nesta Campanha ("O Nome dela É Valdemar" e "Uma Empregada Quase Perfeita"), a intenção de suas comédias é rir de situações presentes no cotidiano de um homossexual. 

"A gente recebe muita crítica por acharem que o gay é alvo de riso, mas nossa intenção é apenas a de narrar situações engraçadas", defende. "Não acho que os personagens sejam estereótipos pois existem vários tipos de gays retratados nas peças. A gente busca passar o que é real".

A pesquisa conclui, porém, que as comédias abordadas não podem ser encaixadas no conceito de homoerotismo, por adotar uma perspectiva limitadora sobre as relações homossexuais. "Elas não problematizam nem levantam as diferentes possibilidades afetivas de relacionamento gay", aponta Igor Leal.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas na semana

Romanos 1,18-32

Levítico 18,22. 20,13

Juiz erra em decisão liminar: clínica psicológica não é laboratório de experiências científicas